log in
 

Crítica do filme Pantera Negra

Wakanda para sempre!

Thiago Moura

por
Thiago Moura

Quinta, 22 Fevereiro 2018
Fonte da imagem: Divulgação/Walt Disney Pictures
sds 728x90 data 5d112
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Se você já está morto por dentro e não suporta mais esse filmes de heróis, a boa notícia é que “Pantera Negra” diverge em muitos aspectos já tradicionais desse gênero. É possível assistir sem nunca ter visto nenhum outro filme da Marvel e mesmo assim ter uma experiência incrível. Felizmente não é o caso da maioria, já que T’Challa (Chadwick Boseman) angariou diversos fãs desde sua aparição em “Capitão América: Guerra Civil”. O texto não contém grandes spoilers, mas é extremamente recomendável assistir antes de ler.

O filme inicia pouco tempo após os eventos que dividiram os Vingadores em dois times e da trágica morte do rei de Wakanda, T’Chaka. Agora o princípe T’Challa se prepara para assumir o manto e comandar a nação como Pantera Negra. Fica claro que não é apenas mais um filme de origem, já que T’Challa vem sido treinado para ser rei e Pantera desde criança. Agora é necessário assumir novas responsabilidades e aos poucos entender as escolhas controversas de seus antepassados enquanto comanda uma nação secreta composta por cinco tribos que apesar de pacíficas, não possuem um consenso em todos os assuntos.

Panteranegra 3 016fa

Ryan Coogler é o responsável pela direção e roteiro, juntamente com Joe Robert Cole. Ambos contribuíram de uma forma muito rica para a construção da história. Ryan nasceu em Oakland, Califórnia, e sua cidade natal está representada com muito cuidado no longa, assim como grande parte da cultura africana. Wakanda, a nação mais desenvolvida tecnologicamente do mundo, fica camuflada sobre o manto de um país de simples fazendeiros. Mas assim que o manto é desvelado, entramos de cabeça em uma maravilhosa paisagem afrofuturista.

O Afrofuturismo é um movimento que surgiu na década de 60 e prega um encontro entre a história, o resgate da mitologia e cosmologias africanas com a tecnologia, a ciência, o novo e inexplorado. Wakanda é exatamente isso, o relacionamento entre o real e o fantástico que também é representado visualmente ao longo do filme. A cidade é um misto entre periferia urbana, com grafites e pichações, tribo africana e metrópole futurista, ainda que com um aspecto familiar a qualquer um que observe seu cotidiano.

Não podemos esquecer do lado mais místico, com diversos ritos de passagem e utilização de uma planta com o poder de conectar o usuário aos seus antepassados em uma paisagem surreal particular para cada um, desde uma savana até um apartamento no subúrbio da Califórnia, sem que nada disso soe estranho para o espectador.

El Dorado é logo ali

Logo no ínicio é revelado que a fonte de toda essa riqueza é o Vibranium, um raro metal  miraculoso e versátil. Um meteoro rico em Vibranium caiu na Terra há eras, e os povos locais souberam utilizar esse presente como fonte energética, desenvolvendo sua cultura e tecnologia absurrdamente em comparação ao resto do mundo, tudo isso por trás da fachada de um simples país de terceiro mundo.

Panteranegra 5 47d63

O povo de Wakanda assiste aos eventos do mundo “exterior” sem nunca se envolver, sabendo que sua supremacia só pode ser mantida em segredo, e eles gostam muito disso. Só que nem todos os afrodescendentes têm o privilégio de morar em Wakanda, alguns nasceram lá e foram enviados a outros países para vigiar e reportar. E fora de Wakanda eles não são tão bem tratados quanto deveriam.

Enquanto seus aliados debatem qual a posição do país em relação ao mundo turbulento que está em constante mudança, inimigos externos tornam ainda mais difícil tomar uma decisão. Ulysses Klaue (Andy Serkis), um traficante de armas e artefatos e um ex-soldado das forças especiais americanas chamado Erik 'Killmonger' Stevens (Michael B Jordan) estão atrás de vibranium, mas cada um com razões diferentes: Klaue só quer lucrar com o raro material enquanto Killmonger quer encontrar uma forma de chegar até Wakanda e clamar pelo trono, acreditando ser o herdeiro legítimo.

Apesar da maioria dos filmes Marvel ser pautado em diversas piadas e questões que não vão muito além de “como mataremos esse vilão que quer conquistar o mundo?”, Coogler faz questão de deixar tudo isso de lado e aborda questões como racismo, o tratamento dos africanos e afrodescendentes ao redor do mundo, de que forma confrontar os erros de seus ancestrais e o que uma nação superdesenvolvida significa para países menos prósperos. Todos esses assuntos são bem sérios e relevantes, mas Coogler consegue adicionar essas camadas a um blockbuster com elegância e sutileza, sem parecer uma palestra para audiência.

Claro que as piadas estão presentes, afinal é um filme Marvel. Mas é tudo muito bem dosado e inserido nos momentos certos, sem o exagero dos outros filmes mais recentes. A ação também está bem afinada aos moldes pré-estabelecidos, tudo muito impressionante. Mas essa nem é a parte mais interessante do filme.

O que acontece agora determina o que acontece com o resto do mundo

É necessário enaltecer o trabalho de todos os atores envolvidos. Todas as escolhas foram extremamente acertadas, só tem gente talentosa e bonita! É notável o fato do elenco contar com apenas dois atores brancos, Andy Serkis e Martin Freeman, que interpreta o agente da CIA, Everett Ross. Ele até tem algumas cenas de destaque, mas fica bem apagado em comparação ao resto do elenco, só servindo de conexão entre Wakanda e os EUA.

Panteranegra 4 f00a4

Chadwick Boseman, o grande rei T’Challa, está bastante confortável como Pantera, mas seu papel dentro da trama torna ele um dos personagens menos interessantes. Não entenda mal, sua atuação está excelente, com um sotaque falso bem convincente, cenas de ação incríveis e diversos momentos e falas bem marcantes. Acontece que os outros personagens são tão complexos quanto o protagonista, que se a história fosse sobre qualquer um deles o filme seria tão incrível quanto.

Destaque principalmente para as mulheres, que ao contrário da maioria dos filmes são numerosas e com papéis realmente importantes. Começando por Okoye, interpretada por Danai Gurira, conhecida como Michonne pelos fãs de Walking Dead. Ela é a líder das Dora Milage, um grupo de mulheres guerreiras que atuam como guarda-costas do rei Pantera Negra. É comum que quando ela esteja em cena ela roube a atenção, as vezes apenas olhando de forma ameaçadora e pronta para derrubar qualquer ameaça a Wakanda.

Letitia Wright é outra surpresa maravilhosa. Ela já mostrou do que é capaz no episódio Black Museum, de Black Mirror. Aqui ela é Shuri, irmã caçula de T’Challa, com um intelecto quase inigualável, superando facilmente gênios da tecnologia como Tony Stark. Ela é responsável por boa parte das cenas mais engraçadas do filme, além de comandar TODO o desenvolvimento tecnológico de Wakanda. Ela é a responsável por criar a roupa de vibranium do Pantera, por exemplo.

Panteranegra 2 12d8e

E ainda temos Nakia (Lupita N’yongo), que poderia facilmente ser apenas o par romântico do rei Pantera, mas só se ela quisesse — e não quer. Ela é a bússola moral do filme, enquanto Okoye representa a tradição, ela faz uma ponte entre a ancestralidade e o novo. Seu desejo é que Wakanda abra suas fronteiras, para poder finalmente ajudar todos os necessitados. Ela também é uma guerreira que poderia facilmente intregrar as Dora Milage, mas prefere atuar fora de Wakanda, onde sabe como agir para fazer a diferença, mas não deixa de ser querida entre os seus conterrâneos por esse motivo.

No lado masculino, temos o excelente Winston Duke como M’Baku, que possui um papel de antagonismo dentro de Wakanda, por ser líder da tribo que venera o deus macaco Hanuman, enquanto a tribo dominante venera a deusa pantera Bast. Daniel Kaluuya, indicado ao Oscar por “Corra!”, é W’Kabi, responsável pela tribo que vigia as fronteiras de Wakanda.

Panteranegra 1 f66aaTodos os personagens representam um avanço na história ou algum aspecto dos conceitos a serem explorados dentro da trama, exatamente como tem que ser. Também vale destacar o cuidadoso trabalho de Ruth E. Carter, responsável pelo figurino. Ela se inspirou em tribos e na história africana para dar vida aos modelos de roupa de Wakanda, cada vestimenta dá aos personagens uma profundidade a mais.

Mas quem rouba mesmo a cena é o vilão. Killmonger (Michael B Jordan) tem uma motivação convincente e possui quase tanto tempo de tela quanto seu rival, não é tão absurdo torcer por ele em alguns momentos. Considerando o sutil teor político que o filme propõe, temos o radicalismo de um homem que pretende chegar ao poder e armar seus irmãos oprimidos contra seus opressores, vingando todo seu sofrimento. Do outro lado, há um pacifista, que prega a defesa dos semelhantes, não quer atacar ninguém, no máximo reagir às agressões.

Os meios são distintos, mas o objetivo é o mesmo. A luta contra o racismo é um debate que vem desde Malcom X e Martin Luther King, é bem fácil de aplicar essas ideias a um filme e cair num simples maniqueísmo. Mas apesar de ser um filme de super-herói, com herói e um vilão, existe uma compreensão entre os dois pontos de vista, algo bem semelhante ao que acontece com Professor Xavier e Magneto nos filmes X-Men. 

Panteranegra bd2a6

E para acompanhar toda essa doidera filosófica e estética, Kendrick Lamar foi responsável pela trilha sonora, reunindo cantores e MCs sul-africanos, americanos e britânicos. "Black Panther: The Album - Music From And Inspired By:" conta com diversos convidados como SZA, 2 Chainz, Vince Staples, The Weeknd, James Blake, entre outros, apostando numa variedade sonora, desde graves pesados até cordas mais calmas, além de letras que vão desde rap até algo mais pop. Ouça a trilha aqui:

Ao quebrar a famigerada “fórmula Marvel” e adicionar camadas de filosofia pautadas em movimentos sociais e momento político que vivemos, "Pantera Negra" eleva o já consagrado gênero “filme de herói” a um novo patamar, e a sensação de frescor ao ver um filme que poderia facilmente cair na mesmice ir tão longe é algo bastante notável. A tradição das duas cenas pós-crédito é mantida, a primeira deixando um gancho legal para uma sequência e de quebra cutucando Trump e sua política separatista, enquanto a última interliga "Guerra Civil" a "Guerra Infinita", que felizmente trará diversos desses personagens novamente as telas. Vale a pena conferir, pois dificilmente esse filme será esquecido tão cedo.

Fonte das imagens: Divulgação/Walt Disney Pictures

Pantera Negra

Você não pode escapar das garras da justiça

Diretor: Ryan Coogler

Duração: 134 min

Estreia: 15 / Fev / 2018

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Thiago Moura

Curto as parada massa.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.