log in
 

Crítica do filme Um Lugar Silencioso

Um som de trovão

Carlos Augusto Ferraro

por
Carlos Augusto Ferraro

Quinta, 05 Abril 2018
Fonte da imagem: Divulgação/Paramount Pictures
rdt 798x90 data1 ae606
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

É fácil associar John Krasinski ao seu personagem mais famoso, o Jim Halpert do seriado Vida de Escritório (The Office). O estilo amigão ajudou a consolidar a carreira do ator, no entanto, seu trabalho atrás das câmeras é tão expressivo quanto. John já mostrou que seu talento vai muito além das tiradas sarcásticas que conquistaram uma legião de fãs na TV. Em Um Lugar Silencioso, Krasinski prova toda a sua capacidade com elegância e em diferentes fronts, assumindo a direção, assinando o roteiro, produzindo e atuando no que já se destaca como um dos melhores suspenses do ano.

A trama intimista, direta e sem floreios, acompanha a família Abbott, conforme os pais Lee (John Krasinski) e Evelyn (Emily Blunt) tentam proteger seus três filhos — Regan (Millicent Simmonds), Marcus (Noah Jupe) e Beau (Cade Woodward) — em um mundo ameaçado por criaturas de origem misteriosa. Tudo o que se sabe é que os seres são extremamente sensíveis ao som e incrivelmente letais. Qualquer barulho é suficiente para alertar os monstros e o silêncio se torna essencial para sobrevivência.

O filme não perde tempo e o tom de tensão é impresso desde os primeiros minutos, perdurando até a cena final. Os sustos são inevitáveis e o filme equilibra muito bem o medo e o nervosismo com amor e ternura. Um Lugar Silencioso é um suspense singular e que certamente prenderá a sua atenção.

Pequena grande família 

O elenco está em perfeita sincronia. Krasinski e Blunt, casados na vida real, estão confortáveis na pele do pai guardião e da mãe zelosa. Enquanto as crianças são verdadeiramente cativantes, especialmente Millicent Simmonds.

No papel de Regan, Millicent — que é portadora de surdez na vida real — prende o público sem dizer uma palavra, entregando uma atuação realista e poderosa. Já Noah Jupe confirma o carisma evidenciado em Extraordinário.

Enquanto isso, Emily Blunt mostra todo seu talento como a mãe angustiada que precisa se salvar, proteger seus filhos e se preparar para dar a luz. Aqui se nota o esforço da atriz, que sem poder se apoiar na entrega emotiva de diálogos incisivos precisa se expressar somente com olhares e sussurros, resultando em uma performances de pura força.

Eu vou, eu vou, morrer agora eu vou...

Ecoando nos poços do silêncio

A direção de Krasinski é algo a ser louvada. Como um diretor relativamente novo e notoriamente conhecido por dramas e comédias, ele se mostrar extremamente competente na condução da película. Ele navega por enquadramentos inteligentes e conduz a trama suavemente, ao mesmo tempo em que cria um clima de tensão absoluta.

O cenário regido pelo silêncio é o ambiente perfeito para os jump scares, aqueles sustos que fazem a gente pular na cadeira. Entretanto John Krasinski, que também assinou o roteiro ao lado de Bryan Woods e Scott Beck, utiliza essa ferramenta muito habilmente não deixando que se torne um clichê. Não é o susto pelo susto, ou melhor, você não está saltando da cadeira só porque ouviu um barulho mais alto, mas porque o enredo faz com que você saiba o perigo que isso representa.

É verdade que a mixagem de som peca por não trazer o mesmo dinamismo de filmes como Dunkirk por exemplo. Uma exploração mais técnica dos sons seria um artifício incrível para a história em questão, deixando assim a trilha sonora ainda mais livre para trabalhar em outros níveis, feito que Marco Beltrami opera mesmo dentro dessas limitações.

Escuta Essa Parada

O silêncio é de ouro

Um Lugar Silencioso é um filme honesto, seu roteiro é direto e o final, mesmo que previsível, é consistente. Sem perder tempo elaborando sobre as criaturas, um erro comum em produções do gênero, temos foco total na história da família.

Apostando no drama e não apenas no terror, Krasinski explora luto, culpa, aceitação e paternidade.

Misturando gêneros com muito talento, o diretor cria uma filme incrivelmente tenso, mas que permanece tenro. Aqueles mais minuciosos vão encontrar algumas falhas na "mitologia" apresentada na trama, no entanto, tudo não passa de puro preciosismo e não afeta em nada a apreciação do que é, em termos gerais, um ótimo suspense. 

Fonte das imagens: Divulgação/Paramount Pictures

Um Lugar Silencioso

Se eles não podem te ouvir, não podem te atacar

Diretor: John Krasinski

Duração: 95 min

Estreia: 5 / Abr / 2018

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.