log in
 

Crítica do filme A Morte de Stalin

Manifesto Groucho-Marxista

Carlos Augusto Ferraro

por
Carlos Augusto Ferraro

Quinta, 07 Junho 2018
Fonte da imagem: Divulgação/Paris Filmes
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Você vai rir em A Morte de Stalin. Seja uma gargalhada espontânea, uma risada mecânica ou um sorriso nervoso, não importa bem como, mas você vai rir, e vai se arrepender. Isso mesmo, a cada risota uma admoestação. Não faço aqui uma crítica ao estilo da sátira política stalinista de Armando Iannucci, mas ao simples fato de que como o absurdo — por mais perverso que seja — é engraçado. Assim, não se surpreenda se você cascalhar em meio a um cenário de morte, tortura, opressão e outras barbaridades.

Como em “Conversa Truncada”, Iannucci destila um humor de alta acidez, com notas indigestas, servidas em cálices extremos. A política mundial sempre foi terreno fértil para humoristas e aqui temos um dos melhores do gênero.

Em A Morte de Stalin, o criador do seriado Veep, da HBO, está mais confortável do que nunca, apostando na sátira e na farsa para escancarar o quão ridículos são os paradoxos do poder, da batalha política e pior, do quão aterradoras são as peças envolvidas nesse jogo. Os temas não são confortáveis, mas Iannucci e o elenco fazem um trabalho incrível, tornando tais elementos palatáveis em um mundo intragável.

Triunfo e tragédia

Inspirado na graphic novel homônima de Fabien Nury e Thierry Robin (que possui um tom totalmente diferente), o filme mostra os momentos finais de Stalin e o embate entre seus asseclas para ver quem assumirá o controle da nação. Sem perder tempo com minúcias ideológicas, o diretor e roteirista, Armando Iannucci explora os personagens e como suas ações reais são indistinguíveis da ficção.

A Morte de Stalin é engraçado por que é horrível, e é horrível porque é engraçado. Iannucci nos entretém com as peripécias maquiavélicas de Beria, Kruschev, Molotov e Malenkov ao mesmo tempo em que nos assombra com o terror de um regime opressivo que comanda seqüestros, prisões e assassinatos de desafetos do Estado.

Por sinal, é válido ressaltar que — apesar do tempero anticomunista — Iannucci faz um belo trabalho ao não se “posicionar” sobre ideologias em si. O diretor consegue mostrar para o espectador que a história proposta poderia se passar em qualquer lugar, qualquer era e sob qualquer sistema. A impressão que se tem é a de que o uso da aristocracia burocrática soviética é pura conveniência histórica.

amortedestalin01

Conheça o novo chefe, igualzinho ao velho chefe

O elenco inteiro de A Morte de Stalin é sensacional nos mais diferentes aspectos. A representação dos grandes líderes soviéticos é caricata na medida certa para evocar seus símiles. As caracterizações do quarteto Simon Russell Beale (Lavrenti Beria), Jeffrey Tambor (Georgy Malenkov), Steve Buscemi (Nikita Khrushchev) e Michael Palin (Vyacheslav Molotov) são,  sem sombra de dúvida, são os pontos altos do filme.

Destaque para Buscemi, que finalmente retorna a ação, mostrando todo seu talento e não apenas despontando em aparições relâmpago como coadjuvante desmiolando em mais uma produção de Adam Sandler. Se isso não bastasse, ainda temos Michael Palin em toda sua glória, cuja essência “monty pythonesca” parece ser um dos ingredientes principais na poção de Iannucci.

Além disso, ainda temos os incrivelmente subestimados Paul Whitehouse, Dermot Crowley e Paul Chahidi, bem como a presença marcante de Jason Isaacs, que confirma sua ótima forma em um papel que sinaliza muito bem a dicotomia entre humor e abrasividade que emerge ao longo de todo o filme. A excepcional trupe de téspios confere um dinamismo shakespeariana a toda a trama, especialmente na entrega dos diálogos.

amortedestalin02

Comédia = Tragédia + Tempo

A Morte de Stalin não é um filme acessível para todos. Mesmo quem desconhece as minúcias da Nomenklatura stalinista é capaz de entender o desejo por poder de burocratas subalternos, mas piadas advindas da construção histórica do partido e das próprias figuras soviéticas podem ficar pelo caminho.

A Morte de Stalin é uma amalgamação satírica de O Grande Ditador e Dr. Fantástico, com pitadas de 1941 - Uma Guerra Muito Louca

Ver um estadista como Khrushchev, vestindo pijamas por debaixo de um terno folgado  carregando o corpo de Stalin ao lado de um Malenkov suscetível, é a essência da sátira que move o filme. No entanto, A Morte de Stalin se mostra um filme essencial para os tempos modernos por sua exposição surreal da política. 

Fonte das imagens: Divulgação/Paris Filmes

A Morte de Stalin

Os comunistas estão chegando!

Diretor: Armando Iannucci

Duração: 107 min

Estreia: 7 / Jun / 2018

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.