log in
 

Crítica Jason Bourne

As definições de segurança digital foram atualizadas

Edelson Werlish

por
Edelson Werlish

Quarta, 27 Julho 2016
Fonte da imagem: Divulgação/Universal Pictures
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

"Talvez seja pior do que o vazamento de Snowden."

A franquia Bourne ganha um novo fôlego nas telonas com seu quinto filme, nomeado simplesmente Jason Bourne. Ao mesmo tempo que traz de volta seu ator e personagem principal (o quarto filme foi protagonizado por Jeremy Renner com outro papel), o mais recente longa funciona como um reboot para atualizar a série clássica de thriller de ação e espionagem.

O capítulo invoca o agente criado pelo escritor Robert Ludlum, junto com seus consagrados elementos de suspense e cenas de ação impactantes, e faz um mix com questões políticas e sociais que pairam no debate contemporâneo, como uso da tecnologia para o bem ou mal.  

O diretor Paul Greengrass, que já comandou outros dois capítulos da história ao lado de Matt Damon, é um cineasta que sabe enxergar o seu tempo e introduzir esse tipo de discussão em suas obras. Do mesmo modo que construiu a trama de A Supremacia Bourne e de sua sequência, O Ultimato Bourne, em cima de temáticas pontuais, seja das ameaças terroristas ou prepotência de programas de defesa militar, desta vez parte para a questão de segurança digital e poder de metadados, deixando a reflexão sobressair o contexto da aventura: nós temos direito à privacidade dentro da internet e qual o limite para os governos invadirem nossa vida virtual?

JB005 ceeca

Esses são tópicos recentes dos noticiários. Nós podemos acompanhar a saga do FBI nos Estados Unidos para que a Apple libere o desbloqueio dos iphones para investigação de vários crimes. No próprio Brasil estamos passando por eventos que exemplificam esse conluio. A Polícia Federal necessita de informações presentes em conversas via o aplicativo Whatsapp para dar sequência aos seus casos. Porém, os termos e políticas de privacidade entre app e usuários impedem que esses dados sejam descriptografados, sistema que tem respaldo legal e jurídico. O resultado disso é conhecido dos brasileiros.

Um ou outro juiz na incumbência de fazer justiça determina que o aplicativo seja tirado do ar, de forma a pressionar a empresa responsável para que libere as informações. Fato que ainda hoje não gerou nenhum fruto concreto, a não ser milhões de pessoas enfurecidas sem seu aplicativo de mensagens, ou, a prisão momentânea de Diego Jorge Dzodan, vice-presidente do Facebook na América Latina  justamente pelo fato da companhia não disponibilizar as conversas de suspeitos de tráfico de droga para a polícia. 

Agora pegue toda essa balbúrdia e encaixe com a história de Jason Bourne. Esse é exatamente o filme que você verá no cinema. 

JB004 31d1e

No longa, JB lembra praticamente de toda a sua vida. Porém, com um novo programa da CIA sendo criado, o Iron Hand, o fugitivo volta à ativa para cavar mais um pouco da seu passado e investigar os novos movimentos feitos pela agência de inteligência dos EUA. 

A adição de nomes consagrados à trama são positivos. O veterano Tommy Lee Jones faz o papel do diretor da CIA; Vincent Cassel é o “contato”, responsável pelo trabalho sujo da agência; e, a bela e oscarizada Alicia Vikander assume o papel de coadjuvante como personagem que descobre os podres que estão acontecendo e jogando pelos próprios princípios. 

O ator inglês com ascendência indiana, Riz Ahmed, faz o gênio bilionário Aaron Kalloor, dono da maior rede social do mundo (já sabe de quem estamos falando aqui na vida real, não é). A personagem é um ponto-chave para história, visto sua inspiração, ou mesmo atuação direta de dono de rede social. Ele é responsável pelo embate de liberação de informações sigilosas para um grande plano de segurança global. Aliado à equipe está o retorno de um ótimo Matt Damon, confortável e em forma para refazer um de seus papéis de mais destaque em sua carreira, e que dessa vez também é creditado como produtor do longa-metragem. 

JB003 1f1f0

No conjunto da obra, Jason Bourne, o filme, consegue se reciclar. A eterna luta do espião para descobrir seu passado é mantida de maneira secundária, dando lugar a novos conflitos. A forma como o conteúdo atual é encaixado ao enredo cria, de forma dinâmica, uma nova fase e permite diversas opções a serem seguidas pela franquia. 

Se estruturalmente o roteiro não apresenta tantas mudanças, e já sabemos o quanto Bourne é bom em chutar bundas e escapar de cilada atrás de cilada, é justamente o mote de segurança digital, privacidade e perguntas deixadas no ar que enriquecem esse capítulo. Então cuidado: um clique no mouse pode ser mais fatal que o disparo de uma arma. Vá ao cinema ver esse filme, e use antivírus. 

Fonte das imagens: Divulgação/Universal Pictures

Jason Bourne

Você conhece o nome dele!

Diretor: Paul Greengrass
Duração: 123 min
Estreia: 28 / Jul / 2016

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Edelson Werlish

Andou na prancha, cuidado Godzilla vai te pegar!

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.