log in
 

Crítica do filme King: Uma História de Vingança

Busca quase implacável

Lu Belin

por
Lu Belin

Segunda, 14 de Agosto de 2017
Fonte da imagem: Divulgação/Netflix
PG 728x90px 01924
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

É incontável o número de pessoas que todos os anos chegam a Los Angeles e cidades similares em busca de uma vida melhor. Seja com vistas ao estrelato ou até mesmo apenas a melhores condições de vida, todos os anos milhões de pessoas abandonam suas casas e procuram um novo lar.

A sul-africana Bianca (Sibongile Mlambo) foi uma dessas pessoas. Mas a gente só vai saber disso depois que se passam as primeiras cenas do longa-metragem “King - Uma História de Vingança”.

Mais uma produção original Netflix, a produção conta a história do misterioso Jacob King (Chadwick Boseman, o Pantera Negra, da Marvel), a partir do momento em que desembarca no Aeroporto Internacional de Los Angeles.

kingumahistoriadevinganca1 78ea0

A memória de Bianca é forte, mas ele sabe que algo de ruim pode ter acontecido com ela. É motivado por essa sensação que ele embarca no avião determinado a reencontrar com a irmã.

Nem demais, nem de menos

Diante de tantos originais Netflix que deixam e muito a desejar, King ao menos consegue capturar a atenção do público e instigar o telespectador para saber o que aconteceu com Bianca.

Como o próprio título denuncia que ela foi vítima de algo que merece ser vingado, já dá para saber logo de cara que história de Bianca não é necessariamente uma história feliz.

kingumahistoriadevinganca2 baf82

Isso é uma coisa muito legal de King. Ele traz uma discussão interessante embora não muito inovadora sobre como é a vida de quem chega a um país novo achando que ali vai encontrar um mar de rosas.

Mas essa não é necessariamente uma história sobre migração e sim sobre vingança, porradaria e muita ação.

Uma espécie de “Busca Implacável” um pouco mais pé no chão, no sentido de que o protagonista dessa vez não tem a capacidade de se regenerar automaticamente dos ferimentos que sofre, nem de desviar de toda e qualquer bala disparada contra ele, como é o caso do Liam Neeson.

A diferença é que, enquanto Busca Implacável pende muito mais para essa questão da ação, “King - Uma História de Vingança” é permeado o tempo inteiro por drama e reflexão.

Uma Los Angeles nada hollywoodiana

A fotografia de “King - Uma História de Vingança” contribui muito para fixar o tom um tanto sombrio da história. Becos, ruas escuras, calçadas sujas e quarteirões de dar arrepios fazem parte do cenário, em contraste como os casarões dos manda-chuvas.

Uma atmosfera bastante bem construída pelo diretor Fabrice du Welz e que ajuda a incrementar a história roteirizada por Oliver Butcher e Stephen Cornwell.

kingumahistoriadevinganca3 1b654

O que há de bem Hollywodiano no filme, isso sim, são os coadjuvantes. Um time formado por nomes bastante conhecidos, como é o caso de Teresa Palmer, Luke Evans e Alfred Molina. Tem até o Tom Felton (aka Draco Malfoy) dando as caras pra uma pontinha. E aí com pessoas talentosas no elenco, é fácil que o resultado seja satisfatório, certo?

Então se você procura um filme bacana, com uma história interessante e uma combinação bacana de drama com ação, vá em frente!

Fonte das imagens: Divulgação/Netflix

King - Uma História de Vingança

Uma mensagem assinada com sangue!

Diretor: Fabrice Du Welz

Duração: 102 min

Estreia: 4 / Ago / 2017

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Lu Belin

Eu queria ser a Julianne Moore.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.