log in
 

Crítica do filme O Preço da Verdade - Dark Waters

Você precisa ver este filme!

Fábio Jordão

por
Fábio Jordão

Quinta, 13 Fevereiro 2020
Fonte da imagem: Divulgação/Paris Filmes
amazonprimevideo
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Em tempos que notícias são propagadas via WhatsApp e muitos leem apenas manchetes nas redes sociais, todo esforço para tentar tirar as pessoas da alienação é mais do que válido. Assim, só por ser uma produção que busca retratar uma história de importância global, o filme “O Preço da Verdade – Dark Waters” já merece sua atenção.

E mesmo indivíduos mais antenados podem não conseguir acompanhar todas as notícias, ainda mais quando tratamos de casos fora do Brasil e que foram foco de atenção há mais de uma década. Assim, há chances de que você não faça ideia de quem seja Rob Bilott, mas você provavelmente não terá a mesma visão de mundo após saber da história deste homem.

Em “O Preço da Verdade”, acompanhamos a história do advogado Rob Bilott (Mark Ruffalo), que acaba de virar sócio em um prestigiado escritório de advocacia em Cincinnati, fruto de seu bom trabalho em defender grandes empresas do setor químico. Contudo, ele se vê em conflito após ser contatado por agricultores que acreditam que uma fábrica da DuPont está despejando lixo tóxico num aterro e matando seus animais e campos.

oprecodaverdadedarkwaters02 fabe5

Assim, Bilott, com a ajuda de seu parceiro na empresa, Tom Terp (Tim Robbins), ele registra uma queixa que marca o início de uma luta épica de 15 anos (sim, você leu certo). Uma disputa judicial que exige não apenas de sua saúde mental, mas que também testa seu relacionamento com a esposa, Sarah (Anne Hathaway), e também sua reputação e sustento.

Importante notar que, apesar da importância biográfica, o mais curioso aqui é a revelação de fatos históricos que podem mostrar a você, caro leitor, o quanto somos reféns das indústrias. Desta forma, “O Preço da Verdade – Dark Waters” chega não apenas como entretenimento, mas como crítica e alerta a todos. É uma história que choca mesmo e, certamente, uma obra que merece sua atenção, então veja no cinema!

Instigante do começo ao fim

Confesso que, particularmente, eu tenho uma certa preguiça de filmes divididos em capítulos, mas este é um recurso necessário em alguns casos, ainda mais numa história como esta que pretende contar fatos ao longo de quase 15 anos. É claro que esse tipo de narrativa pode demorar a engrenar, pois algumas peças só vão se encaixar após um bom tempo de roteiro.

No entanto, mesmo sendo um estilo cansativo pelas tantas informações mostradas durante uma sequência de fatos e outra, o script de Dark Waters foi muito bem desenvolvido, de forma que o filme não tenta prolongar uma história já bastante complexa. Focando nos aspectos mais importantes, o filme vai direto ao ponto e conta os principais episódios desta saga judicial.

oprecodaverdadedarkwaters01 27f6d

E apesar de um começo vagaroso, até porque é necessário para introduzir personagens e os aspectos básicos da trama, após alguns trechos da história principal, o filme engata num ritmo, que nos faz querer embarcar junto ao advogado Rob Bilott nesta peregrinação contra uma corporação multibilionária, afinal não se trata de uma causa ganha, para alguns seria algo até impossível e inimaginável. E como é bom assistir a uma história de pura coragem.

O filme mostra uma progressão bem coerente do protagonista, bem como do caso da DuPont, o que nos deixa sedentos a cada minuto de película por mais fatos e reviravoltas. Entretanto, isso não significa que o filme cria um herói ou poupa personagens, pois as lacunas de tempo são bem marcantes na trama através de uma série de fatores que deixa a história da vida pessoal do protagonista também muito intrigante.

Para quem soube pouco através de notícias ou sequer sabe da existência deste caso, certamente o filme se prova ainda mais interessante, pois cada novidade na história é uma surpresa, não de uma mera ficção, mas de um retrato da realidade que mostra o impacto do caso num âmbito global.

oprecodaverdadedarkwaters03 acdf9

E é curioso apontar que “O Preço da Verdade – Dark Waters” é uma odisseia judicial, porém não se torna algo chato ou cansativo, de modo que o roteiro é tão instigante quanto o de filmes da mesma vertente como “Spotligtht – Segredos Revelados”. Nesse ponto, parabéns aos roteiristas Matthew Michael Carnahan (de “Crime Sem Saída” e “Horizonte Profundo”) e Mario Correa que engajaram bem na história.

Convincente nos pormenores

Méritos à parte do roteiro, é válido também comentar o excelente resultado do filme proveniente de um elenco engajado. Primeiro, temos Mark Ruffalo, que além de protagonista foi produtor do longa-metragem. Não é fácil tornar um papel de advogado algo atraente para o público e a missão fica ainda mais difícil quando falamos de um personagem que deve ser retratado em tantos momentos distintos.

Mesmo com vários desafios, Ruffalo parece ter tomado a frente do projeto para levar essa mensagem pessoalmente ao público. Seu personagem sai de uma zona de conforto, passa por várias situações desafiadoras e cria empatia para uma causa que poucos teriam coragem de assumir. Uma atuação convincente e envolvente que nos leva a criar uma sintonia com o protagonista e a ter medo até da própria sombra.

oprecodaverdadedarkwaters04 29204

Garantindo um universo ainda mais coerente para este retrato, temos ótimas encenações de Anne Hathaway e Tim Robbins, ambos com tempo considerável de aparição e que ajudam a dar veracidade ao caso. O filme tem êxito em criar personagens bem humanos, o que ressalta a coragem do verdadeiro Rob Bilott. Entretanto, há algumas surpresas durante o filme e também ao fim que vão deixar você ainda mais intrigado com os detalhes observados pela produção. Tudo leva a uma série de fatores bem pesados!

E falando em produção, vale mencionar os cuidados do filme na montagem de cenários e na construção dos personagens. Num filme em que é preciso retratar épocas tão distintas, temos um trabalho muito competente que vai desde figurino, até cenários internos e carros nas ruas que permitem essa distinção bem clara. Da mesma forma, a maquiagem dos personagens principais ajuda a perceber o cansaço do caso e o amadurecimento dos envolvidos.

Por fim, mas não menos importante, uma coisa que sempre ajuda em filmes históricos é a questão da cinematografia, edição e tratamento de cor, algo também desafiador para o time técnico, mas que parece ter tirado de letra na hora de criar esse ambiente nostálgico, mas também ameaçador da história. Enfim, seja pelo retrato de uma história importante ou pela crítica a um tema muito pertinente em tempos de governos irresponsáveis, “O Preço da Verdade – Dark Waters” é um filme necessário e importantíssimo para todos!

Fonte das imagens: Divulgação/Paris Filmes

O Preço da Verdade - Dark Waters

A verdade tem um homem infiltrado

Diretor: Todd Haynes
Duração: 126 min
Estreia: 5 / Mar / 2020

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.