log in

Crítica do filme The Post: A Guerra Secreta

Como é bonito o jornalismo!

Lu Belin

por
Lu Belin

Sexta, 19 Janeiro 2018
Fonte da imagem: Divulgação/Universal Pictures
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Depois do sucesso de "Spotlight: Segredos Revelados", o universo dos cinemas nos presenteia agora com mais um belo retrato de um tipo de jornalismo que já está quase extinto: aquele que coloca a notícia acima do dinheiro e das relações pessoais. "The Post: A Guerra Secreta" estreia nos cinemas brasileiros com a missão de contar um fato vivido pelo jornal local The Washington Post durante a Guerra do Vietnã.

No recorte temporal retratado no filme, temos o editor Ben Bradlee (Tom Hanks) com uma pulga atrás da orelha sobre o que anda fazendo um dos repórteres do New York Times - seu concorrente indireto.

Na outra ponta da mesa, temos sua chefe, a presidente do The Post, Kay Graham (Meryl Streep ), uma herdeira que cresceu entre os magnatas de Washington e que tem os governantes dos Estados Unidos no speed dial.

thepostaguerrasecreta4 c9eee

Acontece que durante o governo Nixon, uma bomba midiática estoura e o The Post precisa se reinventar pra não ficar sempre atrás dos outros jornais e Kay é colocada em várias sinucas de bico, enquanto se esforça para tornar o jornal uma empresa de capital aberto.

Desenterrando o jornalismo

Antes de mais nada, gostaria de deixar claro que quem escreve esse texto é uma pessoa apaixonada pelo jornalismo, por sua história. Então realmente me emociona assistir a uma produção cinematográfica que ressuscita o processo histórico de construção da notícia, de investigação, de caça às fontes e à informação.

thepostaguerrasecreta3 2880c

Sentada no cinema, assistindo a "The Post: A Guerra Secreta", as letras se ligando, as palavras se encaixando, a prensa rodando, o boneco do jornal sendo transferido dos rabiscos dos editores e das frases datilografadas em máquinas de escrever aos tipos, à prensa, ao papel, tudo isso me emocionou, consegui sentir o cheiro do papel e da tinta. Que belo trabalho fez Steven Spielberg em romantizar o jornalismo.

O roteiro tenso e cheio de pequenas viradas de jogo construído por Liz Hannah e Josh Singer a partir de fatos históricos contribui muito para o belo resultado, mas é claramente a mão do diretor que faz do filme o que ele é.

História e relações de poder

Particularmente, gosto muito de filmes que retratam a segunda metade do século XIX. O fervor nas ruas, as manifestações em diferentes lugares do mundo... Acho que foi nas décadas de 50 e 60 que o mundo começou a se transformar no que é hoje, em termos de circulação da informação, então é muito legal ver o cinema contando isso - afinal, o próprio cinema é parte dessa mudança.

thepostaguerrasecreta1 89b8e

O que também começou a mudar muito nessa época foi a participação da mulher, e a questão de gênero, o lugar e papel social da mulher também passaram a ser vistos de outra forma, e "The Post: A Guerra Secreta" traz também um feminismo claramente estampado nas suas entrelinhas.

O posicionamento da personagem de Meryl Streep (claro, tinha que ser ela!), seu desabrochar a partir do papel de esposa viúva a quem cai de paraquedas a missão de comandar toda uma corporação - algo que até então cabia exclusivamente a homens - também é essencial para a história.

thepostaguerrasecreta2 83e3f

A fotografia do filme contribui com o bom retrato histórico, e a ambientação da redação, das salas repletas de repórteres, das casas dos personagens onde em parte se constroem a trama e a notícia, tudo é bem amarradinho. Não que seja difícil para um cara que nem o Spielberg, que criou ambientes incríveis em filmes de ficção científica, reproduzir uma redação de jornal.

Mas no fim das contas você nem presta muita atenção nos espaços, tamanho o brilhantismo do elenco e a tensão da trilha sonora, que mantém o espectador ansioso o tempo todo.

As seis indicações que o longa-metragem recebeu para o Globo de Ouro (Melhor Filme Dramático, Melhor Diretor, Melhor Roteiro, Melhor Atriz e Ator em Filme Dramático, Melhor Trilha Sonora Original) não foram à toa, então podemos esperar algumas indicçaões e - espero! - também algumas estatuetas no Oscar.

Filme recomendadíssimo para os amantes de jornalismo!

Fonte das imagens: Divulgação/Universal Pictures

Diretor: Steven Spielberg

Duração: 116 min

Estreia: 1 / Fev / 2018

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Lu Belin

Eu queria ser a Julianne Moore.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.