Crítica O Esquadrão Suicida

Um péssimo grupo em mais um péssimo filme

por
Fábio Jordão

20 de Setembro de 2021
Fonte da imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Volte e meia eu me pergunto o que nos leva ao “hype”, afinal há algo de mágico nos trailers que nos faz criar expectativas para alguns filmes como “O Esquadrão Suicida”. Muitas vezes, depositamos esperanças em nossos atrizes ou atores favoritos, afinal sempre temos aquela certeza de que “filme com Fulano é sempre muito bom”.

Em outras, acreditamos que algum cineasta pode ter um poder transformador. Há também situações em que queremos muito ver algum universo já existente ganhando vida nas telonas. E, claro, temos situações em que a combinação disso tudo somada com efeitos explosivos e trilhas incrivelmente bem colocadas faz nossos olhos brilharem.

Definitivamente, poderíamos dizer que “O Esquadrão Suicida” marca pontos ao completar todos os pré-requisitos, porém temos que lembrar que este é um segundo filme que dá continuidade ao universo introduzido em “Esquadrão Suicida” (criatividade mandou lembranças), que certamente é um péssimo filme da DC Comics.

A resposta para a existência dessa sequência é apenas uma: dinheiro. Mesmo com um roteiro terrível e personagens galhofas, o primeiro filme fez um sucesso absurdo. Tanto é verdade que ele abriu espaço para “Aves de Rapina: Arlequina e sua Emancipação Fantabulosa” e, agora, para mais um longa-metragem com a trupe bagunceira.

oesquadraosuicida00 ae486Imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Quer saber se “O Esquadrão Suicida” vale a pena? Bom, a resposta para sua dúvida pode lhe custar apenas R$ 9,90 (na promoção) ou o dobro desse valor no pacote tradicional da HBO MAX, que tem este lançamento e todos os outros filmes recentes da Warner e DC Comics. No entanto, tal curiosidade pode lhe custar também mais de duas horas em frente ao televisor. A respostas curta é: não vale a pena. A resposta longa você confere a seguir.

Tentando consertar o que não tem conserto

Não há dúvidas de que o primeiro “Esquadrão Suicida” tem suas qualidades, afinal ele realmente deu vez para uma personagem muito acertada: a Arlequina. Todavia, ele foi tão fraco e não era algo designado para um universo próprio que, além de Margot Robbie, tivemos o retorno de poucos atores para “O Esquadrão Suicida”, sendo eles Joel Kinnamn e Viola Davis.

O desastre foi grande no filme antecessor, então a turma da DC Comics pensou em arrumar o problema trazendo um diretor de outro universo para o projeto. O nome é James Gunn, mais especificamente o cara por trás de “Guardiões da Galáxia”. A lógica é simples: se deu certo com a Marvel, tem que dar certo com a DC, certo? Errado!

oesquadraosuicida01 9c76bImagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Ainda que James Gunn tenha ótimas ideias, seja um bom roteirista e diretor, seu desafio aqui era muito maior: pegar um monte de personagens aleatórios (que estão mais para Série C dos quadrinhos), colocar eles juntos numa missão aleatória, introduzir piadas aleatórias e tentar dar um sentido para a aleatoriedade.

Não é uma missão impossível, mas é no mínimo extremamente difícil, pois tal façanha exige que o público engula tudo isso e dê risada de situações absurdas em uma história inusitada. Novamente, temos Amanda Waller (Viola Davis) reunindo degenerados para resolver uma missão — aliás, a que ponto chega o desespero por dinheiro, hein, Viola?!

A missão desta vez reúne os personagens Sanguinário, Pacificador, Capitão Bumerangue, Caça-Ratos 2, Sábio, Tubarão-Rei, Blackguard, Dardo e, claro, a Arlequina. Eles são devidamente armados e jogados na ilha Corto Maltese, onde encontrarão o capitão Rick Flag. O objetivo: destruir um prédio que contém um segredo governamental.

oesquadraosuicida02 fcb1dImagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

A história é ruim? Sim. O plano é ruim? Também. Todavia, “O Esquadrão Suicida” só aceita o fato de que isto existia nos quadrinhos (e fazia sucesso) e tenta jogar isso num filme sem se preocupar com lógica ou com o quão sem noção os personagens podem parecer para o público. As notas positivas e comentários positivos sugerem que deu certo, mas será mesmo?

A Galhofa não tem Limites?

Bom, vamos ser honestos. “O Esquadrão Suicida” é um projeto ambicioso e custoso, sendo que o resultado técnico do filme é mais do que excelente. Não há como negar que há muitas boas ideais por parte de James Gunn, com soluções criativas para emendar essa enorme colcha de retalhos e efeitos de ponta que impressionam no meio da ação desenfreada.

Assim, se você é do tipo que se contenta com muitas cenas de combate, tiroteios e correrias mirabolantes e, além disso, não dá a mínima para uma história coerente ou personagens minimante interessantes, então pode dar o play que “O Esquadrão Suicida” é tudo isso e um pouco mais. Os efeitos realmente são ótimos, com direito a um show da Arlequina em meio a um jardim de violência.

oesquadraosuicida03 a068eImagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

No entanto, se você achou o primeiro filme difícil de engolir e preza por uma história com um desenvolvimento inteligente (e com protagonistas que realmente tenham conteúdo além de piadinhas toscas e gracinhas sem propósitos), então pode ter certeza que “O Esquadrão Suicida” será apenas um filme entediante que vai cansá-lo a cada novo capítulo.

Aliás, eis outro problema deste filme: a narrativa. Com uma série de fatos introduzidos de forma não-linear, a trama vai e volta no tempo várias vezes e tenta abraçar um mundo de acontecimentos. Alinhando tal enredo descontruído com personagens totalmente chatos (e com poderes ridículos), o resultado geral é uma grande galhofa da vergonha alheia.

É tudo perfeitamente inteligível, mas com tantas músicas comerciais querendo disputar atenção, a impressão de que temos é que o diretor criou uma série de vídeo clipes musicais e intercalou para dar o ânimo do filme. As primeiras vezes são legais, mas depois a receita cansa e fica difícil aturar a mesma técnica.

oesquadraosuicida04 b1f87Imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures

O pior é ver que há muitos bons atores envolvidos, bem como um capricho de direção e até um esforço de trazer algo diferente, porém o resultado geral é trágico. Se você é fã de James Gunn, vale mais a pena uma reprise de “Guardiões da Galáxia 2” do que perder tempo com “O Esquadrão Suicida”, que é uma obra inédita, mas cheia de piadas sem graças. Novamente, o universo DC prova que precisa focar em histórias e personagens menos caricatos e mais interessantes.

Fonte das imagens: Divulgação/Warner Bros. Pictures

O Esquadrão Suicida

O Esquadrão Suicida agora sob o comando de James Gunn

Diretor: James Gunn
Duração: 132 min
Estreia: 5 / Ago / 2021

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.