log in
 
Pela primeira vez o Festival de Cinema de Rua de Remígio terá exibição online
amazonprimevideo

A terceira edição do Festival de Cinema de Rua de Remígio acontece de 13 a 16 de maio e visa difundir a produção cinematográfica e incentivar produções audiovisuais locais, regionais e nacionais. Será composto por sessões de exibição de filmes, debates, palestras, oficinas, webnários e lives. Diante do momento especial vivenciado no país, em decorrência da pandemia de Covid-19, o festival será realizado no formato online com transmissão através dos canais virtuais do Festival no Youtube, Facebook e Instagram.

Neste ano, os organizadores do evento pensaram em uma composição marcadamente e cheios de desejos. A programação contara contará com três mostras: a Mostra Pedra de Letra – Panorama Nacional, que contempla produções audiovisuais de ficção e documentais com temáticas diversas que dialogam com a diversidade brasileira e abordagens contemporâneas de criações livres sobre a cultura nacional ; a Mostra Arribaçã – Panorama Regional, que apresenta produções audiovisuais de ficção e documentais voltados para abordagens regionais, locais, dos costumes e de práticas de convivências de populações locais; e a Mostra Especial, na qual constam de filmes do projeto Cinema Instantâneo, com edições desenvolvidas em municípios interioranos deste nosso país. O documentário curitibano "Hoje eu não fico no vestiário", que retrata a homofobia no futebol no Brasil, foi selecionado para a Mostra Pedra de Letra - Panorama Nacional. Confira todos os filmes participantes e programação completa do na página oficial do festival!

 A edição de 2020 apresenta-se cheio de contradições, mas não menos curioso e pulsante. Esse será o primeiro “festival de rua” em que o núcleo das ações serão ditadas pela comunicação online. E, em lugar da rua, do escuro de uma sala de exibição e da pipoca, haverá um webcinema onde cada um possui um lugar singular e modo de ser espectador.

"Não haverá o escuro da sala, nem a satisfação dos sorrisos, mas vigorará o play, o clique conectado no aconchego dos lares"

O público será presenteado com sessões cujos filmes possuem uma capacidade original de levar à diversão, sensibilidade e reflexão, mas não deixa de marcar uma proposta que possa dar liga às ansiedades, solidões e, sobretudo, ao desejo pujante do convívio social. Esse conjunto de desejos crava um perfil para a realização do festival: fazer do isolamento um encontro cheio de convívios projetados no que os filmes apresentam.

As recentes transformações socioculturais, o recrudescente ataque à democracia, o álibi moral e a poiesis do espírito humano se coadunam em temas que dão o espírito dessa edição do festival. Não haverá o escuro da sala, nem a satisfação dos sorrisos, mas vigorará o play, o clique conectado no aconchego dos lares. E, por isso mesmo, o desejo é que cada filme possa fazer renascer novas maneiras de nos relacionarmos com aprendizados que inspirem o convívio, que é a lei que constrói a humanidade.

Homenageados

Esta terceira edição do Festival de Cinema de Rua de Remígio presa homenagem à atriz e militante pelos Direitos Humanos, Fernanda Benvenutty; ao ator Thardelly Lima e à atriz Suzy Lopes que participaram do filme “Bacurau” de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles

Fernanda Benvenutty

Fernanda Benvenuty estudou Enfermagem e dedicou toda sua vida a militância pelos direitos LGBTs. Foi fundadora e presidente da Associação das Travestis da Paraíba (Astrapa) e vice-presidente da Articulação Nacional de Travestis e Transsexuais (Antra). Foi uma das primeiras vozes a lutar contra a homofobia na Paraíba, o que a levou à conferências em Brasília, exigindo medidas do Congresso para o combate ao preconceito. Aos 14 anos, Fernanda fugiu com um circo, tornando-se atriz e bailarina. Na época, sofria em casa a falta de compreensão dos pais e familiares. A passagem circense na cidade brotou na ativista o gosto pelos sonhos de Carnaval, fundando em 2004 a agremiação carnavalesca Império do Samba

Thardelly Lima

é ator e arte-educador, graduado e especialista em Representação Teatral pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB) e Mestre em Artes Cênicas pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), de onde resultou o monólogo “Suçuarana”. Iniciou sua carreira artística no teatro no ano de 1999. Participa de trabalhos cênicos coletivos em grupos da cidade de João Pessoa (PB), como o “Graxa”, os “Fodidários” e o lendário grupo “Piollin. Também tuou em espetáculos cênicos como “Alegria de Náufragos” e “Flor de Macambira”. Entre os anos de 2016 e 2020 participou de nove produções audiovisuais nacionais, a exemplo de “Divino Amor”, de Gabriel Mascaro, e com muito destaque interpretou o icônico prefeito Tony Junior, no filme “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles, em 2020. Thardelly também participou da novela “Amor de Mãe”, da Rede Globo, como o personagem “Edvaldo”.

Suzy Lopes

Suzy Lopes é bacharel em Teatro pela UFPB e mestre em Literatura e Interculturalidade pela Universidade Estadual da Paraíba (UEPB). Atua como professora, contadora de histórias e produtora. Atriz marca presença importante na produção cinematográfica paraibana e nacional. Sua primeira aparição no cinema foi com a personagem Eliclaustenes, no filme “Era Uma Vez Eu, Verônica”, do diretor Marcelo Gomes. Em 2016, participou do curta paraibano “Atrito”, dirigido por Diego Lima, o que lhe rendeu prêmios de melhor atriz em diversos festivais de Cinema. Esteve em cartaz em filmes como Sol Alegria (de Tavinho Teixeira), Ambiente Familiar (de Torquato Joel), A Ética das Hienas (de Rodolpho de Barros), Beiço de Estrada (de Eliezer Rolim), Crua (de Diego Lima), A Febre (de Maya Da-rin), Fim de Festa (de Hilton Lacerda), Vestido Branco, Véu e Grinalda, de Marcelo Gomes, Divino Amor (de Gabriel Mascaro).

O festival 

O Festival de Cinema de Rua de Remígio nasceu como fruto da extensão do Festival Audiovisual de Campina Grande, o Comunicurtas UEPB, que chegou à cidade no ano de 2017 com uma Mostra Itinerante. Fez tanto sucesso entre a população local que, no ano seguinte, um grupo de jovens artistas resolveu promover o 1º Festival de Cinema da cidade. O nome do evento faz alusão ao fato da cidade se orgulhar e manter em funcionamento ininterrupto a sua sala de exibição de filmes. Há cerca de 10 anos, o empreendedor Regilson Cavalcante mantém em funcionamento o único cinema de rua da Paraíba, o Cine RT.

Realizado pela Associação Cultural Pedra da Letra, com o apoio da Prefeitura Municipal da cidade de Remígio e da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB), o festival conta com a colaboração das produtoras Ypurana Cultural, Toco Filmes e Ágora Projetos, além do suporte dos festivais Comunicurtas UEPB e FESTCIMM (Festival Internacional de Cinema do Meio do Mundo – SP).

Assuntos Festival

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Nicole Lopes

À procura do mundo invertido 

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.