log in

Crítica do filme 118 Dias

Pensa que é fácil ser jornalista?

André Luiz Cavanha

por
André Luiz Cavanha

Quinta, 09 Abril 2015
Fonte da imagem: Divulgação/
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Maziar Bahari é um famoso jornalista, dramaturgo, cineasta e ativista de direitos humanos. Nascido no Irã, aos 21 anos foi para o Canadá estudar cinema e ciência política. Ele já produziu importantes documentários para a rede de televisão inglesa Channel 4 e a BBC de Londres, que explicitam questões importantes da cultura e política no oriente médio.

Desde 1998 Bahari é correspondente da revista Newsweek no Irã e justamente por exercer seu ofício, acompanhando as eleições presidenciais em 2009, que ele foi preso a mando das autoridades iranianas. É sobre sua história que o filme 118 dias tenta narrar em mais uma valiosa interpretação do ator Gael Garcia Bernal.

Por conter um enredo que se baseia em fatos reais sobre um país que frequentemente é exposto de modo muito distorcido pela mídia ocidental, é de se desconfiar que o diretor seja o comediante e famoso apresentador Jon Stewart. Entretanto, o objetivo da obra parece presar pela desconstrução de tudo aquilo que se costuma pensar sobre a política no oriente médio.

Há quem diga que o fato de haver um posicionamento crítico bem claro diante da forma de governar adotada por Ahmadinejad faz 118 dias soar tendencioso. Trata-se de um elemento típico em tudo que aborda  disputas políticas, confundindo pessoas ingênuas ainda habituadas com a crença em uma suposta imparcialidade artística. 

Na verdade, o filme denuncia a violação da democracia num processo eleitoral que sofreu diversas sabotagens e que traz grandes reflexos na conjuntura política até os dias atuais. Nesse contexto, Bahari é representado por um personagem disposto a mostrar para o mundo a falta de legitimidade do ditador que, após eleito de modo claramente suspeito, provoca bastante revolta e insatisfação no povo iraniano.

O jornalista faz registros das opiniões dos militantes e eleitores de dois partidos que dividem o país durante a disputa eleitoral, chegando a conclusão de que um dos lados adota uma postura mais progressista e democrática enquanto que o outro se sustenta no obscurantismo fundamentalista. Todas essas informações são enviadas à mídia ocidental e trazem a ele consequências imediatas, fazendo-o conviver com a censura até ser preso pelas autoridades.

tortura 21067

A trama fica empolgante a partir do momento em que Bahari vai para a cela e passa os dias sofrendo a tortura psicológica adotada como estratégia pelos investigadores. Claro que a situação é lamentável, mas chega ao cúmulo do caricato a quantidade de perguntas absurdas que ele é obrigado a responder, tendo que dar satisfação até sobre o mais ingênuo filme de sua coleção de DVDs considerado pornografia pelos policiais. 

Os dias passam e a instabilidade emocional toma conta do personagem, que luta dia após dia para preservar a sanidade em meio às lembranças de seu pai perseguido também por razões políticas. A solução encontrada por ele é algo que determina uma mudança significativa no decorrer da narrativa, trazendo mais humor em relatos pecaminosos que colocam em contradição as crenças do policial que o acompanha cotidianamente.

O filme tem um desfecho muito bem humorado, embora deixe o espectador na dúvida se a história real teve de fato uma solução cômica. E talvez o único ponto negativo dessa produção nem esteja nela mesma: trata-se do nosso despreparo, do olhar descuidado e pouco solidário que temos com as notícias que chegam a nós sobre os graves acontecimentos que envolvem a realidade de determinadas regiões do mundo.

Fonte das imagens: Divulgação/

118 Dias

Confira o trailer deste filme dirigido por Jon Stewart

Diretor: Jon Stewart

Duração: 103 min

Estreia: 5 / Mar / 2015

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

André Luiz Cavanha

Todo coração é uma célula revolucionária.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.