log in

Crítica do filme Chorar de Rir

Quem conseguir rir tá de parabéns

Thiago Moura

por
Thiago Moura

Segunda, 18 Março 2019
Fonte da imagem: Divulgação/Warner Bros. Pictures
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

As vezes é difícil proteger o cinema nacional. Enquanto propostas originais e interessantes como “Albatroz”  estão sendo produzidas, dúzias de filmes sem sentido (e graça) continuam a pipocar nos cinemas. Infelizmente “Chorar de Rir” faz parte da segunda opção. Desde o trailer fica claro que não há nada de atrativo no longa e que dificilmente alguma piada boa será contada ali.

Dirigido por Toniko Melo e escrito por José Roberto Torero e Geórgia Costa Araújo, a trama gira em torno de Nilo Perequê (Leandro Hassum), um grande nome da comédia no país e estrela do programa de TV "Chorar de Rir”. Após ganhar o prêmio de melhor comediante do ano, o humorista decide mudar radicalmente sua carreira e se dedicar totalmente ao drama, deixando sua família e seu empresário desesperados.

A ideia de um ator de comédia experimentar um papel dramático para “provar seu valor” não é novidade mas quem espera que o filme consiga essa proeza pode se decepcionar muito. “Chorar de Rir” é predominantemente focado no “humor”, aquele tipo de comédia hilária que é especialidade de Leandro Hassum e seus trejeitos afetados.

Qualquer tentativa de dramaticidade é cortada, tanto pela falta de profundidade dos atores e história, quanto o clima de longa de baixo orçamento. A única música escolhida para compor a trilha sonora é “Despacito”, remixada em versões instrumentais buscando variações de estilos para compor cenas mais dramáticas, ou seja, impossível de ser levada a sério.

É curioso o fato de ser uma quase autobiografia pautada nas críticas à Hassum, comentários recorrentes como “Hassum perdeu a graça depois que emagreceu” são utilizados no longa. A suposta crise de identidade do protagonista quase soa real enquanto ele tenta representar Hamlet, algo que supostamente traria o reconhecimento como artista sério, mas descamba para a palhaçada na metade do filme que acaba pecando em definir uma identidade.

chorarderir f17cb

Todas as situações são absurdas e resolvidas da maneira mais simples e superficial possível. Todo o elenco de apoio é subdesenvolvido, como por exemplo o relacionamento de Nilo e Barbara (Monique Alfradique) uma paixão antiga que supostamente é tão famosa quanto ele, mas que não aparece atuando em nenhum momento.

Porém, é claro que você notou a participação de Rogerinho do Ingá Caíto Mainier e achou que pelo menos ele salvaria o filme. Achou certo, otário! As pequenas participações de Caíto como Índio, um apresentador de um programa de TV sobre fofocas são o ponto alto do filme, juntamente com sua interação com as gêmeas Ruth e Raquel (ambas interpretadas por Carol Portes). Nas cenas durante os créditos, Carol grita “esse filme nunca acaba?!?!” e essa é a reação de todos os expectadores durante a exibição do filme.

Chorar de Rir tenta homenagear os diferentes tipos de humor, buscando comediantes tanto da TV quando da internet, mas o resultado não possui identidade alguma. É mais do mesmo, reforçando a ideia de que filme nacional não compensa a ida ao cinema para assistir o pior lado da velha comédia televisiva.

Fonte das imagens: Divulgação/Warner Bros. Pictures

Chorar de Rir

"Apresso-me a rir de tudo, com medo de ser obrigado a chorar."

Diretor: Toniko Melo

Duração: 103 min

Estreia: 21 / Mar / 2019

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Thiago Moura

Curto as parada massa.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.