log in
 

Crítica do filme Máquinas Mortais

Seria melhor não existir um pós-apocalipse

Thiago Moura

por
Thiago Moura

Quinta, 10 Janeiro 2019
Fonte da imagem: Divulgação/Universal Pictures
728x90 Assunto de Familia Divulgacao HOJE 2a3f4
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Assim como a maioria dos filmes hoje em dia, “Máquinas Mortais” é baseado em uma série de livro para jovens adultos com potencial para virar uma franquia. O autor britânico Philip Reeve publicou em 2001 o primeiro dos quatro livros sobre um futuro distópico steampunk, chamando a atenção de Peter Jackson, que transportou essa aventura para as telonas como co-produtor e co-roteirista juntamente com Fran Walsh e Philippa Boyens. Christian Rivers, que já havia trabalhado anteriormente com Jackson como supervisor de efeitos visuais estreia na direção e faz um bom uso de todo seu conhecimento técnico.

“Máquinas Mortais” se passa após a “Guerra dos 60 Minutos”, que levou a humanidade até o limite, criando um mundo devastado e obrigando as metrópoles a saírem andando por aí para garantir a sobrevivência de seus habitantes. Logo na cena inicial vemos Londres devorar uma cidade Bavariana de mineradores, no novo sistema adotado chamado “Darwinismo municipal”, em que as grandes cidades “predatórias” se locomovem por aí devorando as menores, assimilando sua população e absorvendo seus recursos, além de buscar relíquias tecnológicas da era anterior, tipo torradeiras.

Em oposição às “Cidades Tração” ainda existem “Cidades Estáticas” recusando transformar-se em máquinas gigantes sobre rodas, a fim de preservar seus recursos. Porém, Londres é a mais gananciosa das cidades e busca soluções agressivas para atacar os anti-tracionistas e de certa forma “controlar o mundo”.

Revirando o lixo do passado para um futuro melhor

Conceitualmente tudo parece bem interessante, mas o filme é enredado numa teia confusa de personagens sem graça, que de alguma forma estão relacionados, o que complica a progressão da aventura até virar uma coisa monótona que dura mais de duas horas. Dificilmente você vai se importar com qualquer um dos personagens, mas não custa tentar.

mortalengines1 a909b

A protagonista é Hester Shaw (Hera Hilmar), uma andarilha que vive nas terras desoladas, fora das cidades. Ela busca vingar-se de Thaddeus Valentine (Hugo Weaving), um político engenheiro que matou sua mãe, e principal entusiasta das Cidades Tração. Quando Hester falha em assassiná-lo, ela é seguida por Tom Natsworthy (Robert Sheehan), um historiador devotado as ideais de Valentine, mas que logo percebe toda a verdade por trás de suas ideias e passa a acompanhar a garota com uma "cicatriz grotesca" no rosto.

Após alguns contratempos fora de Londres, eles encontram a líder do grupo anti-tracionista Anna Fang (Jihae), que desconfia que Valentine está construindo uma perigosa arma com tecnologia antiga. Para adicionar um tempero nessa sopa sem graça, um andróide zumbi conhecido com Shrike (Stephen Lang) persegue Hester e Tom, com uma motivação tão idiota que talvez fosse melhor permanecer misteriosa.

A falta de química entre o casal de protagonistas é gritante, além do roteiro fraco e atuações duvidosas. Hester é uma jovem criada na severidade de um mundo pós-apocalíptico, com uma vida baseada apenas na sobrevivência, mas mesmo assim ela acaba sempre em situação de “donzela em perigo”, sendo salva por um garoto criado em condomínio que não sabia nada além de procurar em pilhas de lixo por alguma coisa interessante do passado. Além disso tudo já ser forçado, eles têm uma relação amorosa, porque se tem um homem e uma mulher é isso que precisa acontecer, certo?

mortalengines2 bf02f

Claro que trabalhar em cima de um universo pré-estabelecido é bastante desafiador, e mostrar tudo de uma forma coesa sem atravancar a história não é nada fácil. A personagem que mais adiciona emoção é Shrike, e olha que supostamente ele não deveria ter sentimentos, mas para ser justo, Anna Fang tem as melhores cenas e presença na trama, o que infelizmente não salva a coisa toda.

Um filme de época

A moda steampunk é legal, mas não é exatamente novidade. Visualmente o filme entrega cenas bem elaboradas, máquinas gigantes, veículos aéreos inventivos e até uma cidade flutuante belíssima, apesar de nada prática, tudo pelo bem da poesia visual. Tanto os cenários quanto os figurinos são deslumbrantes e há diversidade suficiente para que o mundo de “Máquinas Mortais” pareça rico e interessante. Porém, todo esse potencial é desperdiçado em uma trama superficial e personagens rasos.

“Máquinas Mortais” é conceitualmente interessante, mas acaba se perdendo entre uma direção fraca, roteiro ruim e atuações insípidas.

Não há necessidade de comparar o filme ao livro, mas os fãs mais ardorosos certamente vão se decepcionar. Desde a cicatriz horrenda que envergonha Hester até os personagens secundários que foram minimizados ao ponto de se tornarem meros figurantes, a adaptação falha em contar uma história interessante, soando muito mais clichê e datada do que seria aceitável. Se isso tudo não bastasse, há ainda uma cena envolvendo Minions, adorados nessa distopia como “deidades americanas”.

mortalengines5 393f9

Como entretenimento puro e simples, “Máquinas Mortais“ não chega a ser ofensivo. Se sua curiosidade foi despertada pelos conceitos apresentados, é um filme assistível. Porém, talvez não compense tanto assistí-lo no melhor cinema de sua cidade, já que talvez toda a maravilha visual empregada no filme não salte aos seus olhos com óculos 3D da forma que deveria.

Fonte das imagens: Divulgação/Universal Pictures

Máquinas Mortais

Um novo mundo, a mesma guerra

Diretor: Christian Rivers

Duração: 128 min

Estreia: 10 / Jan / 2019

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Thiago Moura

Curto as parada massa.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.