log in
 

Crítica do filme Pastoral Americana

Muita rebeldia, pouca bilheteria

por
Lu Belin

25 de Junho de 2017
Fonte da imagem: Divulgação/Diamond Films

Todos os anos, centenas de filmes são lançados e a gente não consegue acompanhar tudo, não tem jeito. E assim é inevitável que algumas boas histórias acabem passando despercebidas. Em 2016, um dos títulos aos quais talvez a justiça não tenha sido feita é "Pastoral Americana", drama histórico estrelado por Ewan McGregor, Jennifer Connelly e Dakota Fanning.

Mais do que trazer um grande elenco de excelentes protagonistas e coadjuvantes, o longa-metragem também marca a estreia de Ewan McGregor como diretor de longa-metragem. Apesar disso, quase ninguém ouviu falar dele aqui no Brasil e mesmo nos Estados Unidos, o público não foi dos melhores. O próprio McGregor queixou-se, durante sua participação no programa "Actors on Actors", da Variety, que a bilheteria foi decepcionante.

Mas por quê, ainda que com um elenco tão cheio de potencial, "Pastoral Americana" não teve um grande alcance satisfatório de público? Vem comigo, que eu explico.

13 Reasons Why

Bom, não são necessárias treze razões para explicar o pouco sucesso de bilheteria deste longa-metragem. Na verdade, dá pra resumir em apenas três: Primeiro, é um filme aprofundado e sério, com um bom argumento, bem construído e conciso.

Segundo, traz uma temática relevante e bastante polêmica. Terceiro, timing e distribuição - nos Estados Unidos, o longa foi lançado simultaneamente a títulos como "Inferno" e "O Contador", que tiveram um resultado bem melhor de bilheteria. Aqui no Brasil, o estrago foi ainda maior, já que saiu na mesma leva de "Rogue One".

pastoralamericana4 75c6d

Veja bem, você pode até questionar que as duas primeiras razões não deveriam ser motivo do insucesso de uma produção, e eu concordo. Mas dado o histórico do público na relação profundidade x bilheteria, acho que vamos ter que concordar que nem sempre filmes que emplacam são os melhores.

E "Pastoral Americana" é excelente. Complexo, cheio de questões delicadas, pesado, sofrido e extremamente envolvente. Eu sei, eu sei, até agora não disse do que ele trata.

Nele, Seymour Levov (McGregor), o Sueco, é um jovem que tinha tudo para ter uma vida perfeita. Estudante popular, esportista talentoso, foi para a guerra e voltou como herói, casou-se com uma jovem incrivelmente bela, Dawn (Jennifer Connelly), deu continuidade aos negócios do pai administrando uma fábrica de luvas, teve uma filha graciosa, Merry (Dakota Fanning).

O que poderia dar errado?

Viva la Revolución - ou não

Acontece que é justamente no que deveria selar a felicidade de Seymour e Dawn que reside a derrocada da vida dos dois. Merry, que poderia ser uma criança/adolescente/jovem bela e promissora, desde muito cedo começa a apresentar um comportamento duvidoso, no mínimo.

pastoralamericana3 abcb9

Da gagueira à rebeldia com a condição social da família, chegando ao engajamento com grupos revolucionários violentos, a filha torna-se a grande cruz do casal. O fio condutor de "Pastoral Americana" é a timeline da vida de Merry, mas sempre sob a ótica de Seymour. Trata-se da jornada de um pai e, mais à retaguarda, de uma mãe, lidando com as consequências de todos os atos da filha.

Ewan McGregor e suas histórias maravilhosas

A gente já falou várias vezes em outras críticas e nos podcasts do Café com Filme sobre essa coisa de ser até um pouco cansativo ver sempre os mesmos atores nos papéis principais, e que depois de um tempo você não espera mais ser surpreendido quando um ator já consagrado faz um bom trabalho. Afinal de contas, chega uma hora em que o cara estabiliza até mesmo no talento.

pastoralamericana1 b88c0

Pois bem, Ewan McGregor é um daqueles caras que quase todo mundo já viu na TV, mesmo que não saiba dizer exatamente onde. Sucesso com "Trainspotting", "O Impossível" e tantos outros longas, ele mais uma vez nos emociona e nos cativa com sua performance. Não deve ser fácil encarnar um pai aflito e sobrecarregado em meio a um turbilhão de momentos, mas parece fichinha para Ewan.

Junto com ele, Jennifer Connelly e Dakota Fanning formam um círculo central extremamente coeso. Fanning, especialmente, está detestável no papel da filha rebelde sem causa cheia de razão. Acho que quando você passa o filme inteiro com vontade de estapear uma personagem, é porque a pessoa fez um bom trabalho dando vida a ela, né? Então parabéns, Dakota.

Para completar o staff, Peter Riegert (The Good Wife, Unbreakable Kimmy Schmidt), Rupert Evans (da série The Man In The Hight Castle), Uzo Aduba (Orange Is The New Black), Molly Parker (House of Cards), Valorie Curry (The Following) e a pequena Hannah Nordberg, entre outros, completam o time de coadjuvantes.

Entre a cruz e a espada

Mas nem só de atuações se faz um bom filme, embora isso já seja meio caminho andado. Super bem construído e com uma narrativa coerente, instigante e  nada cansativa, "Pastoral Americana" conquista a atenção do público ao intercalar diferentes momentos e formas de contar, entre narrações, pensamentos e diálogos.

O excelente roteiro é obra de John Romano, que adaptou a história baseado no livro de Philip Roth. Não sei sobre o Roth, mas o Romano já merece a nossa confiança só pelo "O Poder e a Lei", que é outro filmão.

Mas, para além do roteiro, a trilha sonora também é muito bem posicionada e envolvente, assim como a paleta de cores que traz uma tonalidade noir e cheia de mistério, contribuindo para que o drama ganhe tons de suspense quando necessário.

pastoralamericana2 a8e38

E é justamente esse gostinho de suspense que torna o longa tão interessante. Você passa grande parte do filme curioso e instigado com relação ao que vai acontecer em seguida. O roteiro vai entregando a verdade aos poucos, dando pistas e jogando dilemas e a cada desdobramento você se pergunta: "o que eu faria se isso fosse comigo?"

É claro que, como drama, o filme acaba tendo um ritmo lento, embora não necessariamente cansativo. São quase dua horas extremamente bem investidas, especialmente para quem é fã de filmes de época e para quem curte um filme que faz você refletir sobre questões fundamentais da sociedade.

Portanto, super válido dar uma chance para o filme e acho que podemos prestar atenção no nome do Ewan McGregor quando na cadeira de diretor, pois tem potencial de grande diretor vindo por aí. Esperamos que ele não desanime depois da baixa adesão de público desse primeiro longa!

Fonte das imagens: Divulgação/Diamond Films

Pastoral Americana

Uma história radicalmente comum

Diretor: Ewan McGregor
Duração: 126 min
Estreia: 15 / Dez / 2016

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Lu Belin

Eu queria ser a Julianne Moore.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.