log in
 

Crítica do filme Django Livre

Aquele western que você vai querer assistir com seu pai

Edelson Werlish

por
Edelson Werlish

Terça, 05 Fevereiro 2013
Fonte da imagem: Divulgação/
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Pra não perder a piada do título, este filme é livre das correntes de “meu Deus, tenho que fazer um mega blockbuster e fazer muito dinheiro”, o que é irônico, uma vez que estamos falando de nada menos que um filme de Quentin Tarantino. Mas irei explicar o porquê dessa introdução depois.

Saindo da sala de cinema de Django (o D é mudo) já escuto a primeira conversa do pessoal sentado ao lado: “E aí cara, gostou do filme?”, e o outro responde: “Cara... é Tarantino!”. Sim, o nome do diretor tem peso, e já sabemos disso. Temos certeza que faremos valer a pena aqueles R$6,00 gastos na sessão das 19h30 de quarta-feira.

Sim, o filme é muito bom, sendo o mais simples e objetivo o possível. Tudo que um fã de Tarantino gosta está lá, nos seus mínimos detalhes, como a própria marca registrada do diretor.

A violência instantânea manchada por muitos litros de sangue (dessa vez passa, é um western, ok?!); as jogadas de câmeras permeadas pelos efeitos sonoros clichês; a trilha sonora escolhida a dedo, misturando Ennio Morricone, hip hop e música castelhana; as longas cenas de diálogo entre os personagens; Samuel L. Jackson... tudo dentro do pacote. (Quase tudo)

Mas, "Django Livre" não entrou no top top dos melhores do diretor na minha listinha. O que faltou? Nada. O maior erro do filme, e chamar de erro pode até ser muito exagerado, é ser longo de mais. Tarantino filmou sem correntes nenhuma, sem peso. Foi filmando, filmando, filmando... e terminou com a versão comercial com 2h45 de duração.

Ele não tem pressa. Conta a história do escravo negro e seu fiel amigo (ex-nazista) caçador de recompensas ao passar de um trote de cavalo. Django conquista a liberdade, ganha um parceiro e vai resgatar sua bela mulher de ninguém menos que Leo DiCaprio (sim, ele também está lá, e está fenomenal). Dentro disso tudo, um filme de quase 3 horas acaba sendo grande de mais.

Pode parecer uma crítica meio boba, mas eu senti falta dos bons e velhos capítulos, o único detalhe que não entrou dessa vez. A divisão dos filmes em capítulos sempre deu uma certa “cadência” para as histórias de Tarantino, tornando cada um uma obra de arte cinematográfica. Dessa vez não tivemos isso, e confesso que me perdi algumas vezes no final, achando que iria terminar em diversas partes. Mas não, tinha sempre alguém mais para morrer.

Críticas à parte, o bang bang sulista de Tarantino cumpriu seu papel, e quem é fã do seu trabalho, de Western, de Samuel L. Jackson, de filme bom, tem que assistir! Pode não ser o melhor, mas... cara, é Tarantino!

Fonte das imagens: Divulgação/

Django Livre

O "D" é mudo, mas a vingança não é!

Diretor: Quentin Tarantino
Duração: 165 min
Estreia: 18 / Jan / 2013

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Edelson Werlish

Andou na prancha, cuidado Godzilla vai te pegar!

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.