log in
 

Crítica do filme Walt nos Bastidores de Mary Poppins

Não é o que parece...

Camile Monteiro

por
Camile Monteiro

Domingo, 09 de Março de 2014
Fonte da imagem: Divulgação/
Mudar tema Padrão Noturno
Barra lateral X Desativar
Mudar fonte A+ A A-

Confesso que assim que soube que de alguma forma Mary Poppins seria lembrada no cinema, já fiquei ansiosa para conferir o filme. Não pude assistir ao filme original na estreia (já que ele é de 1964 e eu sou de 1986), mas esses 22 anos que me separam da estreia do filme, não me fizeram sentir menos emoção por ter que assisti-lo em casa.

Walt nos Bastidores de Mary Poppins” conta a história real da acirrada queda de braço entre Walt Disney e a escritora P. L. Travers — autora do livro Mary Poppins — para que a história saísse do papel e fosse para as telonas.

A jornada de Walt Disney pelo direito de filmar Mary Poppins começou no momento em que suas filhas pediram para que seu livro favorito virasse um longa-metragem. No decorrer dessa história que durou 20 longos anos, Disney tenta convencer Mrs. Travers a vender os direitos autorais do livro para cumprir a promessa que fez as suas filhas.

waltch

A premissa principal do filme é justamente mostrar a dificuldade do relacionamento entre Walt Disney e Mrs. Travers e como esse relacionamento originou o aclamado Mary Poppins, campeão de bilheteria na época e ganhador de 5 Oscars.

Quem em sã consciência não gosta da Disney?

Antes de tudo, devo começar falando especialmente de Mrs. Travers. Sim, chamo-a dessa forma, pois em diversas cenas a autora de Mary Poppins exige respeito para aqueles que não são próximos. Essa mesma característica ela exercita para com os outros ao não se direcionar a desconhecidos pelo primeiro nome.

Mrs. Travers, interpretada por Emma Thompson, chega a ser chata, quase irritante. É sisuda, quase não sorri, intolerante e oscila o filme todo entre a arrogância e a fragilidade. Esse jeito reservado transparece até em suas vestimentas, que geralmente são terninhos bem alinhados e com cores escuras. Não faz questão de gostar de nada e de ninguém, tampouco que gostem dela.

mrstrevor

Após um tempo de indecisão a escritora resolve ir a Disney. Chegando lá temos claros sinais de que ela tem uma aversão ao universo do Mickey e seus colegas. Notamos o quão chata ela é, ao impor algumas condições para ceder os direitos de sua personagem, tais como a ausência de canções e animações no filme — que são a alma dos filmes da Disney.

Um filme para fãs

A primeira cena já começa com a versão instrumental da música Chim Chim Cher-ee, e assim que tocou, voltei à minha infância e me deixei levar completamente pelo filme. Por várias vezes fiquei com os olhos marejados e a cada música que tocava, que reconhecia ser da trilha de Mary Poppins, as lembranças de quando assisti ao filme original voltavam a mente.

O longa foca na vida da escritora, acompanhando duas histórias paralelas, que ajudam o espectador a entender melhor a carreira e o jeito de Mrs. Travers. Não só isso, os fatos apresentados no enredo vão se entrelaçando e aos poucos é possível compreender muitos mais sobre Mary Poppins.

Em algumas cenas, viajamos para a Austrália e somos apresentados ao drama da família Goff. Dentre os membros da família, o filme foca especificamente, no patriarca, interpretado por Collin Farrell e a garotinha Ginty, vivida por Annie Rose Buckley, a loirinha de apenas 11 anos manda muito bem, sendo destaque por diversas vezes e tem tudo para dar certo no mundo do cinema.

aust

Nas tomadas que se passam na Austrália, a fotografia é linda, os cenários, as cores usadas, figurino, tudo está impecável. O capricho com que as cenas foram feitas, me dão a mesma impressão quando assisto à Mary Poppins, cada cena foi cuidadosamente feita, para que nada saísse errado.

Apesar de não ser uma pessoa muito fácil, P. L. Travers acaba vendendo o direito de seu livro à Disney, mas isso não é nenhuma surpresa, afinal o filme original vai completar 50 anos. O curioso é que apesar de o longa tratar sobre a Mary Poppins e a Mrs. Travers o desfecho do filme tem uma surpresa inusitada, totalmente relacionada ao título original.

Prepare a caixa de lenços

Apenas por curiosidade, “Walt nos Bastidores de Mary Poppins” foi o terceiro filme autorizado filmado na Disneylandia, e apesar de a Disney lançar inúmeros filmes, este foi o primeiro a retratar o empresário Walt Disney.

Eu como fã de Mary Poppins que sempre fui, já estou contando os dias para que seja lançado a versão especial de 50 anos e também no aguardo do Blu-ray deste que fui assistir hoje, pois tudo que se refere a Mary Poppins e a Disney me atraem bastante. 

Para os que não são fãs ou que não conhecem a história de Mary Poppins, talvez seja um tanto maçante aguentar a chatice da escritora, porém o filme pode ter umas sacadas e reviravoltas que surpreendem. Vale pelo espetáculo, visual e a visita aos estúdios Disney.

Fonte das imagens: Divulgação/

Curtiu esse texto? Então deixe seu comentário e aproveita para compartilhar nas redes sociais!

Camile Monteiro

Tenho mil anos e não sei quando estou certa ou errada.

Comentários

Este é um espaço para discussão. Você pode concordar, discordar ou agregar informações ao conteúdo, mas lembramos que aqui devem prevalecer o respeito e bom senso. O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Nos reservamos o direito de apagar comentários que não estejam em conformidade com nossos Termos de Uso.