log in
amazonprimevideo

46º Festival de Cinema de Gramado apresenta 14 curtas na disputa pelo Kikito

Antes de revelar, no dia de 10 julho, a listagem completa das mostras competitivas de sua 46ª edição, o Festival de Cinema de Gramado apresenta os primeiros filmes que já estão na disputa pelo cobiçado Kikito. Entre os curtas-metragens brasileiros, 14 títulos serão projetados na tela do Palácio dos Festivais durante o evento.

Para avaliar os 365 filmes inscritos, o Festival de Cinema de Gramado contou com uma comissão de seleção formada por: Camila de Moraes, diretora; Karine Emerich, produtora e diretora; Sérgio Fidalgo, ator e produtor; Stephen Bocskay, professor e escritor; e Tatiana Sager, produtora e diretora.

Segundo a comissão, “temas latentes serão apresentados com olhares diversificados, abordando assuntos cada vez mais urgentes e necessários na procura por uma produção audiovisual que possa representar melhor grupos que nem sempre tiveram espaço e visibilidade”. Além disso, “em busca da memória e de registrar novas narrativas, teremos uma seleção extremamente diversa, rica e potente, que intensifica o debate entre filmes, realizadores e público”.

Confira abaixo a lista dos filmes selecionados para a mostra competitiva de curtas-brasileiros do 46º Festival de Cinema de Gramado:

  • "À Tona" (DF), de Daniella Cronemberger
  • "Apenas o Que Você Precisa Saber Sobre Mim" (SC), de Maria Augusta V. Nunes
  • "Aquarela" (MA), de Thiago Kistenmacker e Al Danuzio
  • "Catadora de Gente" (RS), de Mirela Kruel
  • "Estamos Todos Aqui" (SP), de Chico Santos e Rafael Mellim
  • "Um Filme de Baixo Orçamento" (SP), de Paulo Leierer
  • "Guaxuma" (PE), de Nara Normande
  • "Kairo" (SP), de Fabio Rodrigo
  • "Majur" (MT), de Rafael Irineu
  • "Minha Mãe, Minha Filha" (ES), de Alexandre Estevanato
  • "Nova Iorque" (PE), de Leo Tabosa
  • "Plantae" (RJ), de Guilherme Gehr
  • "A Retirada Para Um Coração Bruto" (MG), de Marco Antonio Pereira
  • "Torre" (SP), de Nádia Mangolini

O 46º Festival de Cinema de Gramado acontece entre os dias 17 e 25 de agosto e a programação completa do evento será divulgada no dia 10 de julho.

Cine-PE | Festival Audiovisual chega à sua 22ª edição

O Festival Audiovisual Cine PE chega à sua 22ª edição. Mantendo posição de destaque no cenário audiovisual brasileiro e internaciona, o Cine PE promete trazer uma seleção plural e diversificada. Previsto para acontecer entre os dias 29 de maio a 4 de junho, o festival recebeu mais de 500 inscrições de curtas e longas-metragens.

cinepe2018

Do número total de inscritos, 419 produções são de curtas-metragens, sendo 111 documentários, 287 obras de ficção e 21 de animação. A maioria das produções vem do Sudeste (285), sendo que os números da edição de 2018 incluem 135 filmes de São Paulo, 120 do Rio de Janeiro, 39 de Pernambuco e 35 de Goiás. Dentre os mais de 500 inscritos serão selecionados 8 curtas para a Mostra de Curta Metragem Pernambuco, 16 para a Mostra de Curta Metragem Nacional e 6 longas para a Mostra de Longa Metragem.

O festival ocorrerá no Cinema São Luiz, no Centro do Recife, e além das mostras competitivas também contará com lançamentos, exibição de filmes hors concours, debates, workshops e homenagens. Confira os destaques da programação:

ABERTURA

  • Mulheres Alteradas (Luis Pinheiro)

COMPETIÇÃO - LONGAS

  • Os Príncipes (Luiz Rosemberg Filho)
  • Henfil (Angela Zoé)
  • Meu Tio e o Joelho de Porco (Rafael Terpins)
  • Marcha Cega (Gabriel Di Giacomo)
  • Christabel (Alex Levy-Heller)
  • Dias Vazios (Robney Bruno Almeida)

COMPETIÇÃO - CURTAS

  • Banco Brecht, de Tiago Aguiar e Marcio Souza)
  • Não Falo com Estranhos, de Klaus Hastenreiter)
  • Sob o Delírio de Agosto, de Carlos Kamara e Karla Ferreira)
  • Lençol de Inverno (Bruno Rubim)
  • Teodora Quer Dançar (Samantha Col Debella)
  • Sweet Heart (Amina Jorge)
  • Abismo (Ivan de Angelis)
  • Balanceia (Juraci Júnior e Thiago Oliveira)
  • Plantae (Guilherme Gehr)
  • Insone (Breno Guerreiro e Débora Pinto)
  • Através de Ti (Diego Tafarel)
  • Peripatético (Jessica Queiroz)
  • Marias (Yasmim Dias)
  • Universo Preto Paralelo (Rubens Passaro)
  • Cine S. José (Adalberto Oliveira)
  • Vidas Cinzas (Leonardo Martinelli)

COMPETIÇÃO - CURTAS PERNAMBUCANOS

  • Cara de Rato (Benedito Serafim)
  • Seja Feliz (Diego Melo)
  • Edney (João Roberto Cintra)
  • Deep Dive (Pedro Arruda)
  • O Consertador de Coisas Miúdas (Marcos Buccini)
  • Uma Balada para Rocky Lane (Djalma Galindo)
  • Dia-Um (Natália Lima)
  • Frequências (Adalberto Oliveira)

 

Inscrições para o 46º Festival de Gramado seguem abertas até o dia 22/04

Faltam poucos dias para o 46º Festival de Cinema de Gramado encerrar suas inscrições para as mostras competitivas de longas brasileiros e estrangeiros e curtas brasileiros. Os realizadores têm até o dia 22 de abril para submeter os trabalhos no site.

Tanto para longas quanto parta curtas-metragens, só serão aceitas as obras finalizadas a partir de 1º de maio de 2017, com duração mínima de 70 minutos para longas e duração máxima de 20 minutos para curtas. Além do tão sonhado Kikito, os filmes selecionados concorrem a premiações em dinheiro, conforme regulamento, também disponível no site.

O Festival de Cinema de Gramado fez os holofotes se voltarem para a Serra Gaúcha, firmando Gramado como um dos destinos turísticos mais procurados de todo o Brasil e a atração gramadense que mais traz reputação e cobertura de mídia espontânea para o município.

Ao longo de sua trajetória, o evento acompanhou todas as fases do cinema nacional, tornando-se pioneiro e referência na realização de eventos do gênero em território nacional. Desde a primeira edição com a consagração de “Toda Nudez Será Castigada”, de Arnaldo Jabor, em 1973, mais de mil Kikitos foram distribuídos entre profissionais do cinema que venceram o Festival em diferentes categorias.

Além da celebração da produção brasileira e gaúcha, o evento ainda inclui em sua programação uma mostra competitiva de filmes ibero-americanos desde 1992. Já os troféus Oscarito, Eduardo Abelin, Kikito de Cristal e Cidade de Gramado prestam homenagem a atores, cineastas e personalidades ligadas ao cinema.

Fronteira Festival abre inscrições para filmes documentais e experimentais

O quarto Fronteira – Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental (FFF) abre inscrições para produções de quaisquer nacionalidades, de todas as metragens e que tenham sido realizados a partir de janeiro de 2017. Os interessados podem registrar gratuitamente seus trabalhos no próprio site do evento até o dia 4 de janeiro de 2018.

Cada realizador pode inscrever quantos filmes quiser. Também são aceitos filmes work-in-progress (que estejam em fase de montagem ou finalização). São três premiações para longas-metragens e outros três para curtas: Júri Oficial, Prêmio Especial do Júri e Júri Popular. As produções também podem integrar mostras de caráter não competitivo.

Ao mesmo tempo, a comissão de seleção do Fronteira fará a escolha dos filmes que irão compor a Cadmo e o Dragão – mostra fixa dedicada a filmes desobedientes produzidos em Goiás. Esta seção não tem caráter competitivo. O regulamento completo do Fronteira pode ser acessado aqui.

O festival acontecerá em Goiânia entre 12 e 21 de abril de 2018 e tem como objetivo exibir e divulgar uma produção cinematográfica contemporânea fora dos catálogos das grandes salas de exibição, mas que represente a diversidade do universo audiovisual. Mais informações podem ser obtidas na página da mostra no Facebook (@fronteirafestival) ou no site do evento.

“Pequena Grande Vida” terá sua primeira exibição no Brasil no Festival do Rio

A Paramount anuncia que o longa-metragem ”Pequena Grande Vida”, que abriu a 74ª edição do Festival de Veneza, será um dos destaques no Festival do Rio. Após uma recepção calorosa em festivais internacionais — incluindo o de Veneza —, a produção do filme optou por fazer a primeira exibição pública no Brasil.

Com roteiro e direção de Alexander Payne (”Nebraska” e ”Os Descendentes”), o filme terá sessões no Festival do Rio nos dias 13, 14 e 15 de outubro. Apesar da chegada antecipada para o evento, metragem ”Pequena Grande Vida” ainda  tem lançamento previsto para 18 de janeiro de 2018, com distribuição da Paramount Pictures Brasil.

No centro da história temos Matt Damon que interpreta um morador suburbano de Omaha (EUA) que, junto com sua esposa, papel de Kristen Wiig, sonha com uma vida melhor. Enquanto o mundo encara uma crise de superpopulação, cientistas desenvolvem uma solução radical que pode encolher os humanos a 12 centímetros de altura.

pequenagrandevida ddca0

As pessoas rapidamente descobrem quanto dinheiro é gasto em um mundo “menor” e, com a promessa de um estilo de vida luxuoso, inimaginável nos sonhos mais insanos, o casal decide se submeter ao controverso procedimento e embarcam em uma aventura que mudará suas vidas para sempre. No elenco, ainda temos nome como Christoph Waltz e Hong Chau.

Sessões de ”Pequena Grande Vida” no Festival do Rio

  • Sexta (13/10) – 21h45 no Odeon/Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro
  • Sábado (14/10) – 16h20 & 21h15 no Kinoplex São Luiz 2
  • Domingo (15/10) – 17h20 no Reserva Cultural Niterói 2 / 21h30 no Roxy 1

"Como Nossos Pais" vence 45º Festival de Cinema de Gramado

O longa-metragem “Como Nossos Pais” foi o grande vencedor da 45ª edição do Festival de Cinema de Gramado, que encerrou oficialmente na madrugada de domingo, 27 de agosto, com a premiação dos melhores filmes e profissionais em dezenas de categorias de curtas e longas, brasileiros e estrangeiros.

Além de ser considerado melhor filme, “Como Nossos Pais” levou outros cinco Kikitos entre os 16 prêmios previstos para longas-metragens nacionais: direção, para Laís Bodanzky, atriz para Maria Ribeiro, ator para Paulo Vilhena, atriz coadjuvante para Clarisse Abujamra e montagem para Rodrigo Menecucci.

A produção “As Duas Irenes” também recebeu destaque, levando o prêmio de melhor filme do Júri da Crítica, melhor roteiro para Fábio Meira e melhor ator coadjuvante para Marco Ricca.

gramadovencedores3 7e2c5

“Bio”, de Carlos Gerbase foi escolhido o melhor pelo Júri Popular e ainda mereceu um Prêmio Especial do Júri para o diretor Carlos Gerbase, que dirigiu 39 atores e atrizes na obra. Paulo Betti e Eliane Giardini receberam a mesma honraria, pela contribuição à arte dramática no teatro, televisão e cinema brasileiros.

O Matador”, o primeiro filme original Netflix produzido no Brasil levou duas estatuetas para casa.

gramadovencedores2 014d9

Na mostra estrangeira, domínio dos filmes argentinos. “Sinfonía para Ana”, de Virna Molina e Ernesto Ardito recebeu o Kikito de melhor filme e também de melhor fotografia para Fernando Molina. Federico Godfrid foi eleito o melhor diretor, por “Pinamar”, película que também levou prêmios de melhores atores para Juan Grandinetti e Agustín Pardella, além do prêmio de melhor filme pelo Júri da Crítica. O Júri Popular preferiu o documentário uruguaio “Mirando al cielo”, de Guzmán García.

Entre os curtas-metragens, o melhor filme foi “A Gis”, de Thiago Carvalhaes também eleito pelo Júri Popular. O Júri da Crítica preferiu “O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro, também vencedor do Prêmio Canal Brasil de Curtas. O Prêmio Canadá 150 de Jovens Cineastas foi para Calí dos Anjos, diretor de “Tailor” e o Prêmio Especial do Júri para “Cabelo Bom”, de Swahili Vidal e Claudia Alves.

Confira a lista completa com os vencedores do 45º Festival de Cinema de Gramado!

Longas-Metragens Brasileiros

Melhor Filme: “Como Nossos Pais”, de Laís Bodanzky
Melhor Direção: Laís Bodanzky, por “Como Nossos Pais”
Melhor Atriz: Maria Ribeiro, por “Como Nossos Pais”
Melhor Ator: Paulo Vilhena, por “Como Nossos Pais”
Melhor Atriz Coadjuvante: Clarisse Abujamra, por “Como Nossos Pais”

gramadovencedores 0923e

Melhor Ator Coadjuvante: Marco Ricca, por “As Duas Irenes”
Melhor Roteiro: Fábio Meira, por “As Duas Irenes”
Melhor Fotografia: Fabrício Tadeu, por “O Matador”
Melhor Montagem: Rodrigo Menecucci, por “Como Nossos Pais”
Melhor Trilha Musical: Ed Côrtes, por “O Matador”
Melhor Direção de Arte: Fernanda Carlucci, por “As Duas Irenes”
Melhor Desenho de Som: Augusto Stern e Fernando Efron, por “Bio”
Melhor Filme - Júri Popular: “Bio”, de Carlos Gerbase
Melhor Filme - Júri da Crítica: “As Duas Irenes”, de Fabio Meira
Prêmio Especial do Júri: Carlos Gerbase, pela direção dos 39 atores e atrizes em “Bio”
Prêmio Especial do Júri – Troféu Cidade de Gramado: Paulo Betti e Eliane Giardini, pela contribuição à arte dramática no teatro, televisão e cinema brasileiros

Longas-Metragens Estrangeiros

Melhor Filme: “Sinfonia Para Ana”, de Virna Molina e Ernesto Ardito
Melhor Direção: Federico Godfrid, por “Pinamar”
Melhor Atriz: Katerina D’Onofrio, por “La Ultima Tarde”
Melhor Ator: Juan Grandinetti e Agustín Pardella, por “Pinamar”
Melhor Roteiro: Joel Calero, por “La Ultima Tarde”
Melhor Fotografia: Fernando Molina, por “Sinfonia Para Ana”
Melhor Filme - Júri Popular: “Mirando al Cielo”, de Guzman García
Melhor Filme - Júri da Crítica: “Pinamar”, de Federico Godfrid
Prêmio Especial do Júri: “Los Niños”, de Maite Alberdi

Curtas-metragens Brasileiros

Melhor Filme: “A Gis”, de Thiago Carvalhaes
Melhor Direção: Calí dos Anjos, por “Tailor”
Melhor Atriz: Sofia Brandão, por “O Espírito do Bosque”
Melhor Ator: Nando Cunha, por “Telentrega”
Melhor Roteiro: Carolina Markowicz, por “Postergados”
Melhor Fotografia: Pedro Rocha, por “Telentrega”
Melhor Montagem: Beatriz Pomar, por “A Gis”
Melhor Trilha Musical: Dênio de Paula, por “O Violeiro Fantasma”
Melhor Direção de Arte: Wesley Rodrigues, por “O Violeiro Fantasma”
Melhor Desenho de Som: Fernando Henna e Daniel Turini, por “Caminho dos Gigantes”
Melhor Filme - Júri Popular: “A Gis”, de Thiago Carvalhaes
Melhor Filme - Júri da Crítica: “O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro
Prêmio Canada 150 de Jovens Cineastas: Calí dos Anjos (“Tailor”)
Prêmio Canal Brasil de Curtas: “O Quebra-Cabeça de Sara”, de Allan Ribeiro
Prêmio Especial do Júri: “Cabelo Bom”, de Swahili Vidal e Claudia Alves

45º Festival de Gramado celebra Dira Paes e homenageia atores latinos

Começa hoje, 17, e vai até o dia 26 de agosto a 45ª edição do Festival de Cinema de Gramado, um dos mais importantes eventos da área do Brasil. Com uma programação dedicada a destacar o melhor da mais recente safra de realizadores veteranos e de novos profissionais que despontam no cenário audiovisual brasileiro e latinoamericano, Gramado promete fazer uma festa à altura de seus 45 anos.

A pessoa escolhida para ser homenageada com o Troféu Oscarito nesta edição comemorativa foi a paraense Dira Paes, atriz com 33 anos de carreira e mais de 40 filmes no currículo. Em Gramado, Dira levou o Kikito em 2003, como melhor atriz coadjuvante, pelo longa “Noite de São João”, e em 2011, como melhor atriz, pelo curta “Ribeirinhos do Asfalto”.

Também prestando homenagem a um de seus grandes amigos e incentivadores, o Festival celebra a carreira do cineasta gaúcho Otto Guerra com o troféu Eduardo Abelin, distinção entregue a diretores, cineastas e entidades do cinema nacional.

gramadodira d1306

Há mais de quatro décadas fazendo carreira no cinema de animação, Otto esteve pela primeira vez no Festival em 1984 com "O Natal do Burrinho", que lhe rendeu o prêmio de melhor filme na Mostra Gaúcha de Curtas. Desde então, teve seus trabalhos premiados em outras seis edições do evento. "Esse tipo de legitimação, quando pessoas da área reconhecem o teu trabalho, dá um significado, um propósito", conta o homenageado.

Já o Kikito de Cristal, dedicado a expoentes do cinema latino-americano, será entregue à atriz argentina Soledad Villamil. Seu maior hit veio em 2009, quando atuou em “O Segredo dos Seus Olhos”, célebre longa argentino vencedor do Oscar de filme estrangeiro, mas sua relação com o cinema começou ainda no início da década de 1990.

gramadosoledad 67f9b

Soledad já havia trabalhado com o diretor Juan José Campanella em outro reconhecido filme argentino: “O Mesmo Amor, a Mesma Chuva”, de 1999, exibido no 28º Festival de Cinema de Gramado. Como atriz, a homenageada também acumula trabalhos no teatro e na televisão argentina.

Por fim, o Troféu Cidade de Gramado será entregue ao ator Antônio Pitanga. A estreia no cinema aconteceu em 1960, com “Bahia de Todos os Santos”, e, desde lá, o ator já participou de mais de 50 produções em uma prolífera e dedicada carreira ao cinema nacional.

A convivência com grandes diretores do Cinema Novo também despertou a vontade de dirigir filmes, concretizada em 1978, com “Na Boca do Mundo”. Presença constante no Festival de Cinema de Gramado, seja como concorrente, jurado, convidado ou simplesmente espectador do evento serrano, o baiano terá sua carreira celebrada com o troféu Cidade de Gramado, que também marca a sua longa relação com a cidade e o evento.

Mostras e atividades

Na mostra competitiva, o festival traz em 2017 longas-metragens brasileiros inéditos, em primeira mão no circuito nacional, depois de terem passado por festivais como Berlim e Cannes. O festival também fará a primeira exibição do primeiro filme Original Netflix produzido no Brasil, o drama “O Matador”.

Para o curador Rubens Ewald Filho, a múltipla e inédita seleção representa uma excelente resposta a um desafio que a curadoria tenta, a cada ano, mostrar ser possível superar: “Para algumas pessoas, às vezes pouco interessa se o cinema brasileiro vai bem como um todo. Elas querem saber é se ele vai bem em Gramado. Dessa forma, nossa missão é sempre renovar o Festival na medida em que ele se torne uma lenda também para novas gerações. Por tudo isso, o Festival está sempre em vias de transformação, crescendo e se modificando, mas sempre sem perder as características que o tornaram tão querido”.

GRAMADO1 bca68

O momento também é de celebração para o cinema latino-americano, já que, em 2017, são comemorados os 25 anos da internacionalização do Festival. Segundo a curadora Eva Piwowarski, há muito o que se comemorar em relação ao cinema latino ao longo desse tempo: “Quando Gramado se internacionalizou, eram poucos os festivais de cinema, sobretudo os eventos voltados ao cinema latino, cuja produção também era muito mais tímida. Hoje já falamos de uma indústria cinematográfica verdadeiramente latina, onde praticamente todos os países estão produzindo. É fantástico que isso esteja acontecendo”.

Em meio a essa celebração, um recorde já dá a tônica para a mostra estrangeira de 2017: superando os números da última edição, são dez os países representados na competição, reforçando os fortes laços criados entre as cinematografias latinas em suas coproduções.

Cinema gaúcho em curta-metragem

Tradicional incentivo do Festival de Cinema de Gramado à mais recente safra do cinema realizado no Rio Grande do Sul, a Mostra Gaúcha de Curtas está novamente garantida através do acordo com a Assembleia Legislativa do Estado. Foram 125 produções inscritas, um recorde na categoria.

Os 14 filmes da mostra foram selecionados pela comissão escolhida em parceria com as entidades do cinema gaúcho. Integraram a comissão: Conrado Heoli, crítico de cinema; Denise Marchi, cineasta; Pâmela Haubert, cineasta; Tailor Diniz, escritor; e Thiago Köche, cineasta.

Filme de abertura: “João, o Maestro”

Abrindo a programação de longas do 45º Festival de Cinema de Gramado, “João, o Maestro”, do diretor Mauro Lima (“Tim Maia”, “Meu Nome Não é Johnny”), será exibido hors-concours no dia 18 de agosto. Estrelado por Alexandre Nero, o filme é baseado na vida do pianista brasileiro João Carlos Martins, um dos poucos músicos a gravar a obra completa de Bach. Os atores Rodrigo Pandolfo, Alinne Moraes e Caco Ciocler também fazem parte do elenco.

Canadá, o país convidado de honra

Em uma iniciativa inédita, o Festival de Cinema de Gramado apresenta o Canadá como país convidado de honra. Além da presença do consulado e de uma delegação que acompanhará de perto a programação do evento, o Canadá também trará para Gramado sua expertise na produção audiovisual com seminários e workshops ministrados por prestigiadas instituições de ensino do país.

O cronograma de atividades já está sendo definido pela embaixada do Canadá no Brasil junto à Gramadotur. O convite para ser o país convidado de honra do Festival de Cinema de Gramado vem em um momento festivo para o Canadá, uma vez que, em 2017, é comemorado o sesquicentenário do país.

Gramado Film Market: Conexões

Propiciando um ambiente para estreitamento de relações e criação de novos contatos, o 45º Festival de Cinema apresenta o Gramado Film Market: Conexões, direcionado a profissionais e universitários do segmento audiovisual.

Painéis temáticos e oficinas focados na ampliação de segmentos, visão de expertises, futuro, incentivo a coproduções, novos negócios e network farão parte da programação. O Gramado Film Market: Conexões acontecerá nos dias 24 e 25 de agosto.

Filmes em Competição

Longas-metragens brasileiros

  • “A Fera na Selva” (RJ), de Paulo Betti, Eliane Giardini e Lauro Escorel
  • As Duas Irenes” (SP/GO), de Fábio Meira
  • “Bio” (RS), de Carlos Gerbase
  • Como Nossos Pais” (SP), de Laís Bodanzky
  • O Matador” (PE), de Marcelo Galvão
  • “Não Devore Meu Coração!” (RJ), de Felipe Bragança
  • “Pela Janela” (Brasil/Argentina), de Caroline Leone

Longas-metragens estrangeiros

  • “Los Niños” (Chile/Colômbia/Holanda/França), de Maite Alberdi
  • “Pinamar” (Argentina), de Federico Godfrid
  • “El Sereno” (Uruguai), de Oscar Estévez & Joaquín Mauad
  • “Sinfonía para Ana” (Argentina), de Virna Molina e Ernesto Ardito
  • “El Sonido de las Cosas” (Costa Rica), de Ariel Escalante
  • “La Ultima Tarde” (Peru), de Joel Calero
  • “X500” (Colômbia/Canadá/México), de Juan Andrés Arango

Curtas-metragens brasileiros

  • “#feique” (RJ), de Alexandre Mandarino
  • “A Gis” (SP), de Thiago Carvalhaes
  • “Cabelo Bom” (RJ), de Swahili Vidal
  • “Caminho dos Gigantes” (SP), de Alois Di Leo
  • “Mãe dos Monstros” (RS), de Julia Zanin de Paula
  • “Médico de Monstro” (SP), de Gustavo Teixeira
  • “O Espírito do Bosque” (SP), de Carla Saavedra Brychcy
  • “O Quebra-cabeça de Sara” (RJ), de Allan Ribeiro
  • “O Violeiro Fantasma” (GO), de Wesley Rodrigues
  • “Objeto/Sujeito” (SP), de Bruno Autran
  • “Postergados” (SP), de Carolina Markowicz
  • “Sal” (SP), de Diego Freitas
  • “Tailor” (RJ), de Calí dos Anjos
  • “Telentrega” (RS), de Roberto Burd

Festival Internacional sobre Deficiência apresenta 32 filmes em três capitais

32 filmes de 20 países integram a programação da 8º edição do “Assim Vivemos – Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência” que chega ao Rio de Janeiro (de 16 a 28 de agosto), Brasília (5 a 17 de setembro) e São Paulo (20 de setembro a 1º de outubro) nas unidades do Centro Cultural do Banco do Brasil.

Além da exibição audiovisual, serão realizados quatro debates com os seguintes temas: A visão e os sentidos da arte; Corpo e movimento; Tecnologia assistiva de ponta e Amor e relacionamento. Com entrada gratuita, o evento tem realização do Centro Cultural do Banco do Brasil, patrocínio do Banco do Brasil e do Ministério da Cultura e produção da Lavoro Produções. 

Os documentários trazem histórias protagonizadas por pessoas com diversas deficiências, como síndrome de Down, autismo, paralisia cerebral, atrofia muscular espinhal, deficiência física, visual, auditiva e intelectual. Além de produções brasileiras, foram selecionados trabalhos de outros 19 países: Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, Austrália, Suíça, Itália, Espanha, Polônia, Bulgária, Finlândia, Espanha, Turquia, Ucrânia, Tailândia, Alemanha, Rússia, Índia, Myanmar e Letônia.

Entre as produções destacam-se “Eu sou Jeeja”, sobre a indiana Jeeja Ghosh, líder ativista pelos direitos dos que têm paralisia cerebral na Índia; “ 50 X Rio”, filme italiano que conta a história de Alex Zanardi, ex-campeão de fórmula Indy que se preparou para os Jogos Paralímpicos no Rio de Janeiro e, “Dois Mundos”, obra polonesa que mostra a família de Laura, garota de 12 anos que tem pais surdos.

festivalassimvivemos1 8be4c

Os curadores Lara Pozzobon e Gustavo Acioli acreditam que o evento cumpre duas funções: “ao mesmo tempo em que nos leva a refletir sobre aspectos fundamentais da vida em sociedade e do autoconhecimento, também nos faz refletir sobre o nosso país, por meio da comparação com as mais diversas culturas e sociedades representadas na nossa seleção. Tal comparação é sempre reveladora, principalmente quando descobrimos que somos mais avançados no que pensávamos que éramos atrasados, e mais atrasados no que pensávamos que éramos avançados”.

"Em 2003, quando o CCBB exibiu a primeira edição do Assim Vivemos, as discussões sobre o tema eram muito reduzidas. Ainda há muito trabalho a ser feito, mas acreditamos que o cinema, seja pelo filme de ficção ou pelo documentário, tem sido uma grande ferramenta de conscientização e o festival tem contribuído bastante ao transportar o público para as mais diversas realidades e situações que envolvem a questão da deficiência.” reflete Fabio Cunha, gerente geral do CCBB Rio.

"Acreditamos que o cinema, seja pelo filme de ficção ou pelo documentário, tem sido uma grande ferramenta de conscientização e o festival tem contribuído bastante ao transportar o público para as mais diversas realidades e situações que envolvem a questão da deficiência.”  

Realizado a cada dois anos, o festival se mantém como o principal evento que celebra a inclusão cultural no Brasil. Ao primeiro, realizado em 2003 no Rio de Janeiro e em Brasília, seguiram-se edições inéditas em 2005, 2007, 2009, 2011, 2013 e 2015. Desde 2009, São Paulo também abriga o festival.

Em 2010 e 2012, foram feitas itinerâncias em outras cidades, como Belo Horizonte, Porto Alegre, Pelotas e Santa Cruz do Sul, ampliando seu alcance e possibilitando que mais pessoas conhecessem o projeto e, através dos filmes, histórias de vida inspiradoras e altamente transformadoras.

Comprometido com a promoção de acessibilidade para todos os públicos, o festival oferece audiodescrição em todas as sessões e catálogos em Braille para pessoas com deficiência visual; e legendas LSE nos filmes e interpretação em LIBRAS nos debates para as pessoas com deficiência auditiva.

Os portadores de deficiência física também contam com garantia de acessibilidade, uma vez que o Centro Cultural Banco do Brasil tem sua arquitetura concebida para o acesso de pessoas com mobilidade reduzida e cadeirantes.

Lista dos filmes

Uma Vida com Asperger - Duração: 4’

Diretor: Jaime Ekkens - EUA

Consciência do Autismo - Duração: 5’

Diretor: Rebecca James – Reino Unido

Conectados: um filme sobre pessoas com autismo - Duração: 60’

Diretor: Sonia Suvagau – Canadá

Ordem do Woody! - Duração: 16’

Diretor: Seth Kramer, Daniel A. Miller & Jeremy Newberger - EUA 

Como Se Eu Estivesse Voando - Duração: 56’

Diretor: Babu J. Aryankalayil - EUA 

Vida e Atrofia - Duração: 24’

Diretor: Gareth Burghes – EUA

Virando Super-Humano - Duração: 52’

Diretor: Wain Fimeri – Austrália

 Bucéfalo - Duração: 34’

Diretor: Damien Marti, Chloé Seyssel - Suíça

50 x Rio - Duração: 36'

Diretor: Francesco Mansutti – Itália

A lista dos filmes participantes  e a programação completa está disponível no site: www.assimvivemos.com.br

Serviço:

8º edição do festival “Assim Vivemos - Festival Internacional de Filmes sobre Deficiência”

CCBB – Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília

Rio de Janeiro: 16 a 28 de agosto – CCBB – Rua Primeiro de Março, 66 - Centro

Entrada gratuita

Outras informações: www.assimvivemos.com.br

Mostra de Cinema Mexicano traz sucessos latinos para Curitiba

A Caixa Cultural recebe, entre 12 e 16 de julho de 2017, a Mostra Cinema Mexicano Contemporâneo. Serão 14 longas e 3 curtas-metragens reunidos em cinco dias de programação repleta de muita latinidade.

A mostra de cinema representa desde cineasta com longa trajetória no cinema, como Arturo Ripstein e Julián Hernández, ou ainda novas promessas, como Pablo Delgado e Ricardo Silva, passando por autores premiados nos principais festivais internacionais, como Enrique Rivero.

Dentre os 17 títulos, estão presentes os mais variados gêneros. A mostra abarca tanto filmes que fizeram um grande sucesso pela crítica em todo o mundo, como filmes que encontraram bastante repercussão no México. Em comum, as obras apresentam, segundo a organização que está à frente do evento, reflexões críticas sobre o comportamento e a política atualmente no México.

Confira a programação completa!

12 de julho (quarta-feira)

16h - Nunca Morrer (Mai morire, 2012), de Enrique Rivero, 84 min.

18h30 - Te Prometo Anarquia (Te Prometo Anarquía, 2015), de Julio Hernández Cordón, 88 min.

teprometoanarquia 31701

Bate papo com o diretor Julio Hernández Cordón após a sessão.

13 de julho (quinta-feira)

16h - H20mx (H20mx, 2014), de José Cohen e Lorenzo Hagerman, 82 min

18h - O Modelo de Pickman (El Modelo de Pickman, 2014), de Páblo Ángeles Zuman, 10 min.

18h - Navalhada (Navajazo, 2014), de Ricardo Silva, 75 min.

20h - Eu Sou a Felicidade Deste Mundo (Yo Soy la Felicidad de Este Mundo, 2013), de Julián Hernández, 122 min.

14 de julho (sexta-feira)

16h - Manhã Psicotrópica (Mañana Psicotrópica, 2015), de Alejandro Aldrete, 90 min.

18h - Verão de Golias (Verano de Goliat, 2010), de Nicolás Peredas, 76 min.

veranodegoliat d404d

19h30 - Debate “Cinema mexicano contemporâneo e aproximações com a América Latina”, com Rafael Urban, Solange Stecz, Julio Hernández Cordón e Mateus Nagime.

15 de julho (sábado)

16h - Nuvens Flutuantes (Nuves Flotantes, 2014), de Julián Hernández, 14 min.

16h - Carmim Tropical (Carmim Tropical, 2014), de Rigoberto Pérezcano, 80 min.

18h - A Vida Depois (La Vida Después, 2013), de David Pablos, 90 min.

20h - As Razões do Coração (Las Razones del Corazón, 2011), de Arturo Ripstein, 119 min.

16 de julho (domingo)

16h - Banho de Vida (Baño de Vida, 2016), de Dalia Reyes, 69 min.

18h - Ramona (Ramona, 2014), de Giovanna Zacharías, 10 min.

Ramona b24f8

18h - As Lágrimas (Las Lágrimas, 2013), de Pablo Delgado, 64 min.

20h - O Bom Cristão (El Buen Cristiano, 2016), de Izabel Acevedo, 120 min.

Todos os filmes serão exibidos na Caixa Cultural em Curitiba, na Rua Conselheiro Laurindo nº 280, Centro. Informações estão disponíveis pelo telefone (41) 2118-5114 ou no site da Mostra Cinema Mexicano Contemporâneo.

Anima Mundi celebra 25 anos no centenário da animação brasileira

Com uma programação especialíssima, convidados internacionais de peso e a retomada de suas aguardadas oficinas, o festival que qualifica o curta vencedor para a disputa pelo Oscar® apresenta em julho, no Rio e em São Paulo, 470 filmes de 45 países.

Nas sessões oficiais são 345 produções de 45 países, entre elas 70 nacionais. Contando com as mostras especiais e retrospectivas, o número chega a 470 títulos. Realizado desde 1993 pelos animadores Aída Queiroz, Cesar Coelho, Léa Zagury e Marcos Magalhães, o Anima Mundi é a principal plataforma de fomento à animação do país e responsável pela formação de toda uma geração de realizadores e de um público apaixonado, que todo ano lota salas de cinema e espaços do Rio e de São Paulo para assistir a curtas e longas adultos e infantis, dos mais variados temas, técnicas e origens.

Feral Daniel Sousa 5b1e1

Consagrado como um dos mais importantes festivais internacionais de animação, o Anima Mundi 2017 aporta no Rio de Janeiro de 14 a 23 de julho e, em São Paulo, de 26 a 30 de julho. No Rio, vai ocupar o Centro, no Cine Odeon - Centro Cultural Luiz Severiano Ribeiro, Espaço Cultural BNDES, Centro Cultural Justiça Federal, Cinemateca do MAM, Centro Cultural dos Correios e Centro Cultural do Banco do Brasil, que abrigou a primeira edição do Anima Mundi.

Em São Paulo, será realizado na Caixa Belas Artes, Centro Cultural Banco do Brasil, Centro Cultural São Paulo, Cinemateca Brasileira e chega também às salas do Circuito Spcine, localizadas em todas as regiões de São Paulo.

Mostras do festival

As mostras competitivas reúnem 182 produções nas categorias Curta (82 títulos), Curta Infantil (49), Longa-Metragem (4), Longa-Metragem Infantil (3), Galeria (20 filmes experimentais) e Portfólio (24 filmes publicitários ou feitos sob encomenda). O Anima Mundi é qualificado pela Academy of Motion Pictures Arts and Sciences (Academia de Artes e Ciências Cinematográficas dos EUA) e o curta vencedor do Grande Prêmio Anima Mundi é selecionado para a disputa do Oscar®. O festival realiza cerimônias de premiação no Rio e em São Paulo.

As mostras não-competitivas são Panorama (curtas internacionais que apresentam diversas tendências dentro da animação), Animação em Curso (trabalhos finais das melhores escolas de animação do mundo), Olho Neles! (curtas nacionais que merecem atenção) e Futuro Animador (filmes que utilizam as linguagens da animação para experiências educativas).

Historia de un Oso Gabriel Osorio 39d6a

A programação do Anima Mundi traz também palestras e bate-papos para profissionais, amadores e amantes da animação, além do Estúdio Aberto, com as tradicionais oficinas. Crianças e adultos poderão experimentar como é criar imagens animadas como as exibidas nas sessões do festival. Nesta edição, as técnicas apresentadas são pixilation e zootrópio.

Entre os destaques da edição 2017 estão as Sessões Petrobras, patrocinadora do Anima Mundi desde 1977, apresentando os filmes que foram premiados nos 25 anos do festival; uma retrospectiva dos cem anos da animação brasileira; além do Foco Canadá, que contempla uma mostra com quatro sessões especiais incluindo produções do National Film Board para crianças e adultos e um documentário sobre o célebre Norman McLaren.

Strange Invaders Cordell Barker 1f30d

A exposição interativa Flora, do artista multimídia alemão Philipp Artus, apresenta animações experimentais que exploram as manifestações da vida através dos movimentos, criando formas que se assemelham à aparência de plantas. O público pode controlar interativamente a animação com um touchpad, e assim projetar novos padrões. No Rio, Flora estará na Casa França Brasil e em São Paulo, no Centro Cultural São Paulo  (CCSP).

Para as crianças

São três longas infantis na programação deste ano: Barkley, de Li-Wei Chiu (Taiwan); The Oddsockeaters, de Galina Miklínová (República Tcheca/Eslováquia); e Pixi Post and the Gift-Bringers, de Gorka Sesma (Espanha). Além de 49 curtas-metragens de todos os cantos do planeta, haverá a exibição de episódios inéditos da segunda temporada da série de animação Irmão do Jorel, do Cartoon Network, com participação do criador, Juliano Enrico.

Em São Paulo, o Anima Mundi traz também o pré-lançamento do longa Lino, com o making of da animação da Fox Films que estreia em setembro no Brasil. O filme narra as agruras de um azarado animador de festas e conta com as vozes dos atores Selton Mello, Paolla Oliveira e Dira Paes.

Para o público adulto

Os aguardados longas-metragens são Pequeños Heroes (Venezuela), sobre três crianças que ajudam Simon Bolívar em sua luta pela liberdade, com direção de Juan Pablo Buscarini (um dos produtores do sucesso do cinema argentino Um Conto Chinês); Ethel and Ernest, de Roger Mainwood (Reino Unido/Luxemburgo), desenhado a mão e dirigido por Roger Mainwood, que faz um retrato íntimo do estilo de vida londrino de seus pais; e o delicado Window Horses, de Ann Marie Fleming (Canadá), que conta a história de uma jovem poetisa canadense com pais chineses e persas que viaja até o Irã para se apresentar em um festival de poesia.

widow horses 998e0

Do Brasil, serão exibidos curtas esperados como Sob o Véu da Vida Oceânica, de Quico Meirelles; Em Crise, de Amir Admoni; Mundo de Wander, de Lisandro Santos; Finito, de Mauricio Bartok Ruiz, entre muitos outros.

Papos Animados

Além da exibição dos filmes, o Anima Mundi promove os ‘Papos Animados’, que reúnem conversas com grandes diretores de animação do Brasil e do mundo. Neste ano, entre os convidados, está o holandês Michael Dudok, vencedor do Oscar de melhor curta de animação pelo filme Father and Daughter, em 2001. Além da estatueta, ele acumula um prêmio César para melhor curta-metragem de animação e uma indicação ao Oscar, com The Monk and the Fish (1994).

Dudok, vencedor do prêmio de melhor longa do Anima Mundi 2016, no Rio e em SP, também foi indicado, no mesmo ano, ao Oscar por The Red Turtle. Robert Valley, indicado ao Oscar pelo filme Pear Cider and Cigarretes (2017), apresenta sua marcante linguagem de HQ e videoclipes de bandas como Gorillaz e Metallica.

pier siders e cigarretes b0040

Também estarão presentes o diretor uruguaio Walter Tournier, premiado em diversos países com os filmes  El jefe y el Carpintero, Caribbean Christmas, A pesar de Todo, entre outros; o búlgaro Theodore Ushev, que teve seu filme Blind Vaysha premiado como melhor roteiro da edição de 2016 no Anima Mundi e, em 2017, foi indicado ao Oscar de melhor curta de animação; e o brasileiro Guilherme Alvernaz, filho do animador Ruy Perotti – um dos pioneiros da animação nacional – e sócio na produtora Oca Filmes, que participa do papo “Família Perotti – três gerações de animadores”, que reúne pai e filho, além do irmão, Bruno Avila Barbosa.

Maratona Animada SENAI

O Anima Mundi, em parceria com o SENAI, lança um desafio criativo para um grupo de animadores previamente inscritos. Eles precisam desenvolver um curta-metragem em sete dias contendo tema e elemento obrigatório escolhido pelo festival.

As produções vão ser avaliadas por um júri técnico nos quesitos animação, roteiro, arte, edição e som. Os três filmes finalistas serão exibidos no encerramento do Anima Mundi. A equipe vencedora ganhará R$ 5 mil, além de bolsas de estudo para cursos de animação do SENAI.

Circuito SPcine

Nesta edição, o Anima Mundi chega também às salas do Circuito Spcine através da maior rede de salas públicas de cinema do Brasil. O Festival estará presente nas salas SPcine Olindo, SPcine Roberto Santos, SPcine Cidade Tiradentes e nos CEUs.

Serão exibidas cerca de 50 produções de diversos países como Rússia, Alemanha, Hungria, Brasil, Lituânia, Irlanda e Israel.
Além de tudo isso, o festival inclui ainda uma série de outras atividades paralelas com passagens por outras cidades, mesas redonas e muito mais. Acesse a programação completa do Anima Mundi .