log in
amazonprimevideo

Documentário de Sérgio Oliveira recorta um Sertão globalizado

O diretor Sergio Oliveira e a roteirista Renata Pinheiro, parceiros em vários trabalhos recentes como o elogiado longa “Amor, Plástico e Barulho” (2013) e os premiados curtas “Superbarroco” (2008) e “Praça Walt Disney” (2011), fazem estreia mundial do documentário “Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos” na mostra competitiva Première Brasil, do Festival do Rio 2016, em outubro.

O filme, que só entra em circuito comercial no País em 2017, segue a linha experimental da dupla pernambucana e desmistifica a ideia de um Sertão puro, colocando-o no global mediante o registro, em tom fabular, da cultura contemporânea liderada pela cinquentenária orquestra de baile Super Oara, de Arcoverde (PE), em contraste com o chamado “progresso” na região nordestina.

No documentário, duas crianças jogam um minigame de som 8-bit, enquanto retroescavadeiras de uma empreiteira trabalham em uma grande obra. Em Arcoverde, cidade a 250km do Recife, o cruzamento de ruídos eletrônicos com o barulho de máquinas anunciam um novo Sertão, impulsionado pela promessa do progresso da modernidade. No entanto, a globalização sertaneja já era uma realidade cultural há pelo menos meio século.

Retrado de um sertão globalizado e de paisagem mítica transformada

É a partir do mote musical que o inédito documentário “Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos” (PE, 79 min, 2016) reflete outras questões sobre o atual momento do Brasil, em particular do Nordeste. Reconhecidos pela verve experimental de seus filmes, Sergio Oliveira e Renata Pinheiro repetem a parceria desta vez, propondo um corte estético ainda mais arrojado e desafiador em torno desse aspecto.

Concorrente da mostra competitiva Premiére Brasil, do Festival do Rio 2016, de 6 a 16 de outubro, no Rio de Janeiro, o filme pernambucano extrai, como ponto de partida, a incrível história da Orquestra Super Oara, fundada em 1958 pelo músico Egerton Verçosa, mais conhecido como o maestro Beto – uma orquestra de baile que sempre se dedicou ao repertório internacional, sobretudo americanizado e canções românticas. No decorrer das filmagens no local, a matéria-prima acabou por revelar um contexto mais amplo.

Still Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos 82a53

“Fiquei intrigado com o nome dessa orquestra, uma abreviação que ainda tem o ‘super’ na frente. Isso já dá a ideia de um Sertão globalizado existente, de alguma maneira, há muito tempo”, conta o diretor Sergio Oliveira. “Mas esse pontapé inicial é uma das curiosidades dentro de um Sertão pouco conhecido, no qual uma classe média se insere em uma cultura diferente, que nos fazem repensar a pureza cultural que erroneamente se atribuiu ao Nordeste”, complementa.

Longe de fazer uma pesquisa meramente musical ou etnográfica, “Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos” realiza um recorte contemporâneo sobre o Sertão nordestino, enfatizando a transformação da paisagem e suas contradições. Filmado por dois anos e meio (entre 2013 e 2015), em Arcoverde, no Sertão pernambucano, o doc. mostra, em tom fabular, o contraste social de uma cidade tomada por jumentos e motos nas ruas, enquanto a orquestra anima festas de debutantes. A construção lenta – quase parada – de obras como a Transnordestina e a Transposição do Rio São Francisco também é tematizada.

“Nas filmagens, ficamos estupefatos com a quantidade de animais nas ruas. São muitos deles, jumentos, burros, galinhas, cachorros...O documentário foi evoluindo de uma maneira que não poderíamos tirar isso de jeito algum. Percebemos que a moto é o novo jumento. E o jumento somos nós. O jumento é quem não está nessa festa, é o símbolo de resistência”, observa o diretor Sergio.

Still2 Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos f6b31

 A experimentação estética adquire um novo potencial com o tom fabular, que se manifesta através da câmera que acompanha o jumento. Personagem condutor do filme, e também um imigrante à margem da dita prosperidade econômica, ele observa a realidade mais que o homem que o escraviza e, nesse processo de personificação, acaba por interagir em danças e andanças por uma cidade já desmistificada.

A música é outro elemento importante no documentário, funcionando como um ponto de ligação entre o homem e o jumento. Músicas como “New York, New York”, hino na voz de Frank Sinatra; “Smooth Criminal”, de Michael Jackson; “La Vie em Rose”, canção famosa com Édith Paif; e “A Morte do Cisne”, de Tcchaicovsky, compõem a trilha sonora de ar cosmopolita no Sertão. Manifestações populares como o bumba-meu-boi e a participação do grupo Reizado de Caraíbas também participam do longa.   

Produzido pela Aroma Filmes, “Super Orquestra Arcoverdense de Ritmos Americanos” conta com patrocínio do Programa Petrobras Cultural e incentivo do Funcultura/Governo de Pernambuco. 

“Aquarius” é o único filme brasileiro no Festival de Toronto

Entre os dias 08 e 18 deste mês, a capital do Canadá está recebendo o Toronto International Film Festival (TIFF), que neste ano exibe nada mais, nada menos do que 397 filmes. Realizado desde 1976, o evento é conhecido como o “festival de festivais”, pois reúne filmes exibidos previamente em outras seleções cinematográficas. 

A única produção brasileira a entrar na lista desta edição é “Aquarius”, de Kleber Mendonça Filho, que também esteve na lista dos possíveis representantes brasileiros no Oscar 2017 e que também fez parte do Festival de Cannes. O TIFF fez inclusive uma entrevista com a atriz Sônia Braga.

O longa-metragem nacional integra a mostra “Contemporary World Cinema” [Cinema Mundial Contemporâneo], que reúne histórias e perspectivas peculiares sobre as mais diferentes questões, bem como produções sensíveis e olhares humanos sobre questões do cotidiano. 

aquarius toronto e32ac

Esta é, no entanto, apenas uma das mostras do TIFF, que também apresenta uma seção de descobertas, festival de rua com exibição dos filmes do festival, além de apresentações, exibição e seleção de curtas-metragens, além de bailes de gala.

A mostra "Next Wave" (Próxima Onda) apresenta produções experimentais, enquanto a "Midnight Madness" traz sessões à meia-noite com filmes de terror, suspense, ação e fantasia. Foi inclusive em uma dessas sessões da madrugada que o festival exibiu nesta terça-feira (13) o filme “Grave”, da diretora francesa Julia Ducournau, que levou algumas das pessoas da plateia a desmaiarem. 

Confira a lista completa de filmes exibidos no festival no site do TIFF.

Projeto Cinema no Rio visita 10 cidades e homenageia Guimarães Rosa

Com o sucesso da novela Velho Chico, bombando no horário nobre, o rio da integração nacional ganha evidência e chama a atenção para a cultura, tradições e para o modo de vida do povo ribeirinho. 

É nesse contexto que o projeto Cinema no Rio São Francisco 2016 chega à sua 11ª edição, homenageando um dos escritores mais emblemáticos da literatura em língua portuguesa, Guimarães Rosa, pelos 60 anos da primeira edição do livro Grandes Sertões Veredas. Rosa, a novela e o projeto Cinema no Rio São Francisco têm muito em comum, e isto faz desta versão do projeto de difusão da cultura do Vale e de exibição de filmes, uma das mais especiais já realizadas. 

O Cinema no Rio 2016 já tem data marcada e vai percorrer 10 cidades do trecho mineiro do rio, entre os dias 25 de agosto e 4 de setembro. A exemplo do que ocorreu no ano passado, o trajeto será feito por terra, por conta das atuais limitações de navegabilidade do Velho Chico, no trecho entre as cidades de Manga e Pirapora. 

Ao contrário dos outros anos, a caravana vai subir, ao invés de descer o rio, partindo da fronteira de Minas com a Bahia em direção à sua nascente. Nesta etapa, o Cinema no Rio vai passar pelas localidades de Manga, Matias Cardoso, Itacarambi, Januária, Pedras de Maria da Cruz, São Francisco, São Romão, Ponto Chique, Ibiaí e Pirapora.

Serão exibidos nove filmes, sem contar os documentários produzidos em cada uma das cidades por onde passa o projeto. Na 11ª edição do Cinema no Rio, estão em cartaz:

A Luneta do Tempo” (Alceu Valença)

“O Bem Amado” (Guel Arraes)

“O Ultimo Cine Drive-In (Ibere Carvalho)

“5 X Chico” (Gustavo Spolidoro, Ana Rieper, Camilo Cavalcante e Eduardo Goldstein)

“A mulher que mentia para vender santos” (Produzido pelos alunos do projeto Semiárido em Tela, Luiz Hernandes Azevedo, Maria Clara Vasconcelos, Miriam Cristina, Nara Riana Dantas, Nock Allan Lima e Antônio Eliel Santos)

“Canto de Misericórdia” (Marcela Bertelli, Inácio Neves e Henrique Mourão)

“Disque quilombola” (David Reeks)

“Meninos e reis” (Gabriela Romeu)

“Calango Lengo” (Fernando Miller)

O projeto entrou definitivamente na rotina das populações ribeirinhas do Alto São Francisco e já é parte integrante e aguardada do calendário de cultura e entretenimento das comunidades por onde passa anualmente. 

Grandes sertões

O Cinema no Rio São Francisco e o livro de Guimarães Rosa têm muito mais afinidades do que se possa supor: ambos são ambientados na região do alto São Francisco, embora em outras edições o projeto de exibição e realização de cinema tenha percorrido também o médio e o baixo São Francisco, chegando até a sua foz. 

Outro ponto em comum entre o Cinema no Rio e Grande Sertão Veredas é a forte presença da cultura regional, valorizada por meio da linguagem e formas de expressão, ou através dos personagens locais, retratados tanto no livro quanto nos documentários que são produzidos em cada localidade por onde passa o Cinema no Rio.

Festival Cinema no Rio 1 a9273

Mas o objetivo primordial do projeto sempre foi levar o encanto do cinema para a população ribeirinha do Velho Chico. “Pela segunda vez, somos obrigados a fazer todo o trajeto por terra, em uma adaptação forçada à grande seca do rio que, de tão baixo, não permitia a navegação. Agora, voltamos a percorrer o trajeto por terra, torcendo pela recuperação do Velho Chico e pela sua normalização”, adiantou o idealizador e coordenador geral do Cinema no Rio São Francisco, Inácio Ribeiro Neves. 

“A proposta do projeto é a democratização do acesso à cultura por meio da exibição de curtas e longas-metragens nacionais em comunidades que vivem a beira do rio da integração nacional”, define Inácio Neves. Desde 2004, mais de 300 mil pessoas assistiram às sessões de cinema ao ar livre, que reúnem crianças, jovens e adultos, incluindo muitos moradores que nunca haviam visto um filme na telona. 

“A proposta do projeto é a democratização do acesso à cultura por meio da exibição de curtas e longas-metragens nacionais em comunidades que vivem a beira do rio da integração nacional”

“Já realizamos 10 edições e vamos iniciar agora a décima primeira. Isto é um feito raro, só possível pela confiança dos parceiros e patrocinadores. Tenho orgulho de contar em todos esses anos, com o imprescindível patrocínio da Oi e Petrobras, que demonstram assim sua sensibilidade em relação à valorização da cultura ribeirinha e à sua inserção fora do Vale do São Francisco”, reconhece Inácio Neves.

Festival Cinema no Rio 2 dc44b

O projeto também busca denunciar a situação do Vale do São Francisco a partir dos documentários que produz e das atividades que realiza. O Cinema no Rio também busca valorizar as belezas locais e fazer com que mais pessoas se encantem pelo rio, chamando a atenção para a urgência da preservação do rio e de seus afluentes.

Além da exibição em praça pública de filmes em longa e curta metragem, com direito à tradicional pipoca, o projeto também produz e exibe um documentário em cada comunidade por onde passa, além de realizar oficinas de fotografia que buscam despertar um novo olhar sobre o ambiente e o cotidiano das crianças e adolescentes das escolas públicas, quem sabe, despertando futuras vocações. 

Confira as cidades participantes e a programação completa do Festival Cinema no Rio no site oficial do evento. 

Festa do Cinema Italiano chega ao Brasil

Um evento sobre o cinema italiano que nasceu em Portugal e agora chega ao Brasil. Isso mesmo, o 8 ½ Festa do Cinema Italiano é um evento cinematográfico lançado em Lisboa em 2008 que, em quase dez anos, expandiu sua programação para diferentes países de língua portuguesa, como Angola e Moçambique, e agora expande seu alcance por aqui, depois de duas edições restritas a Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Em sua terceira edição no Brasil, 8½ – Festa do Cinema Italiano amplia seu circuito para mais sete salas em diversas capitais nacionais: São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba e Florianópolis, além da já citada Porto Alegre.

No Brasil, a 8½ Festa do Cinema Italiano é organizada pela Associação Il Sorpasso em colaboração com Mottironi Editore e as cadeias de cinema Espaço Itaú e Cinespaço, com o apoio institucional da Embaixada da Itália em Brasília, dos Institutos Italianos de Cultura de São Paulo e Rio de Janeiro e do Ministério da Cultura Italiana (MIBACT Direzione Cinema), e patrocinado pela Pasta Garofalo.

Acesse o site da 8½ Festa do Cinema Italiano para conferir a programação completa, os horários e salas de exibição dos filmes e saber mais sobre o evento. Veja quais foram os longas selecionados para integrarem a Festa do Cinema Italiano em 2016!

Paro Quando Quero

25/08, quinta-feira, às 19h | 28/08, domingo, às 21h30

Paro Quando Quero f832f

Um grupo de investigadores universitários desempregados decide produzir e comercializar a melhor smart drug do mercado, transformando-se na gangue traficante mais improvável da cidade.
Pietro recruta no seu grupo todos os seus amigos desempregados: excelentes acadêmicos, latinistas, antropólogos etc. O objetivo é fazer dinheiro e restituir a cada um deles um mínimo de dignidade. Mas as coisas começam a tomar um outro rumo.

Loucas de Alegria

25/08, quinta-feira, às 21h30 | 29/08, segunda-feira, às 19h

Loucas de Alegria ec674

Beatrice Morandini Valdirana tem transtorno de personalidade, gosta de fazer drama e se autodenomina condessa, além de conhecer Deus em sua intimidade. Donatella Morelli é uma jovem tímida e frágil que guarda um doloroso segredo.

Ambas são internas de um hospital para mulheres com distúrbios mentais e são consideradas socialmente perigosas. Beatrice e Donatella desenvolvem uma improvável amizade, e fogem à procura de um pouco de felicidade no manicômio a céu aberto que é o mundo dos sãos

Não Seja Mau

26/08, sexta-feira, às 19h | 29/08, segunda-feira, às 21h30

naosejamau 02ff9

Uma história de amizade e dependência química ambientada nos anos 90, nos subúrbios de Roma, nos mesmos lugares onde Pasolini trazia à vida as personagens dos seus filmes. O filme narra a história de amizade entre Vittorio e Cesare. Eles vivem na periferia da grande Roma, na litorânea Ostia.

Com apenas 20 anos, levam uma vida tão alucinada, em meio a drogas e festas, quanto dura, em um cotidiano difícil e sem oportunidades. Em busca de uma nova vida, Vittorio abandona Cesare, que mergulha cada vez mais no submundo. Mas os laços entre eles são fortes demais para se romperem.

As Confissões

26/08, sexta-feira, às 21h30 | 30/8, terça-feira, às 19h

As confissoes3 b1c39

Em um hotel de luxo na Alemanha, um G8 dos ministros de economia está para se reunir pronto a adotar uma manobra secreta que afetará gravemente alguns países. Além deles, também está ali um monge italiano, Roberto Salus. Um fato trágico e inesperado faz com que a reunião seja suspensa.

Em um clima de dúvida e medo, inicia-se um embate: os ministros suspeitam que Salus, por meio da confissão de um deles, tenha descoberto sobre a terrível manobra, e fazem de tudo para que ele diga aquilo que sabe. Enquanto o monge aproveita-se do segredo da confissão, os políticos, tomados pelo remorso e incertezas, começam a vacilar

Meu Nome é Jeeg Robot

27/08, sábado, às 19h | 30/08, terça-feira, às 21h30

Foto Oficial Meu Nome e Jeeg Robot 1 a6ea3

Enzo entra em contato com uma substância radioativa que lhe dá uma força sobre-humana. Fechado, introvertido e solitário, Enzo usa os seus novos superpoderes para a sua carreira de delinquente, envolvendo-se com a máfia. Tudo muda, porém, quando encontra Alessia: uma garota instável que está convencida de que Enzo é o famoso herói do desenho animado japonês, Jeeg Robot. Enzo aprende então o valor de ajudar os outros. 

Amor Eterno

27/08, sábado, às 21h30 | 31/08, quarta-feira, às 19h

Amor Eterno 1 7582c

O romance Amor Eterno conta a história de Amy (Olga Kurylenko), uma estudante de Astrofísica na Universidade de Edimburgo. Ela tem um romance secreto com o famoso astrofísico Dr. Ed Phoerum (Jeremy Irons). Apesar de seu relacionamento ser complicado, já dura seis anos e ela é feliz.

Até que Ed some, deixando Amy sozinha e insegura sobre os rumos a seguir. O que Amy não esperava era que Ed deixaria diversas correspondências e vídeos  com importantes mensagens e lições de vida que ajudar iam ela a superar as dificuldades.

As Consequências do Amor 

27/08, sábado, às 19h | 30/08, terça-feira, às 21h30

As Consequencias do amor 103ed

Titta Di Girolamo tem uma vida enfadonha. Vive em um hotel na Suíça há quase 10 anos e passa os seus dias a espera de que algo aconteça. Com uma rotina rígida, Titta ignora os que estão a sua volta e não mostra emoções. Até que um dia decide quebrar uma das suas regras e troca algumas palavras com Sofia, a atraente barwoman do hotel. A partir desse momento, o terrível passado de Titta começa a se revelar.

Festival Rocky Spirit exibirá 30 filmes inéditos em tela de 150m²

A sexta edição do maior festival outdoor de cinema do Brasil já tem data e local. O Rocky Spirit será promovido nos dias 3 e 4 de setembro em São Paulo (SP) e nos dias 24 e 25 de setembro no Rio de Janeiro (RJ). Com entrada gratuita e aberta ao público em geral, o festival vai apresentar 30 títulos inéditos, que serão exibidos em uma tela gigante de 150 m², com imagens em alta definição. 

Nas duas noites de evento em cada capital, a organização espera receber 10 mil pessoas. Em São Paulo, o endereço já está definido: o Parque Ibirapuera. Já a edição carioca ainda não tem local definido.

Na programação do festival, entre produções nacionais e internacionais, o gênero que impera é o de documentário, especialmente aqueles focados em aventura com temas como mountain bike, montanhismo, trekking, slackline, escalada e meio ambiente.

rockyspirit2 737ce

"São filmes incríveis, as melhores produções mundiais nesse segmento. E a maioria não será exibida em outras ocasiões no Brasil. Será uma oportunidade única, e em condições muito especiais: ao ar livre e de graça", declara Andrea Esteva, diretora artística do festival. 

Entre os internacionais, o destaque fica com o filme “Showdown at horseshoe Hell”, que conta com imagens de uma competição de escalada fora do convencional. “The Great Siberian Traverse” mostra uma expedição de esqui que cruza a ferrovia Transiberiana. 

rockyspirit3 2b3a1

Já o emocional “When we were knights” fala sobre Base Jump, amizade, parcerias e várias facetas do amor que dão sentido à vida. Há também filmes sobre mountain bike na República Soviética e cicloturismo no Uruguay, surf no Havaí e na África do Sul, montanhismo nos Andes e no Everest, entre muitos outros lugares e modalidades. "É uma verdadeira volta ao mundo curtindo a vida outdoor", resume Andrea.

Outras atrações no Rocky Spirit

Além dos filmes, o festival de 2016 também reunirá bandas e conversas com elenco e equipes de produção dos filmes. Na edição paulista, as bandas Funk Como Le Gusta (sábado, 03/09) e Jazz na Kombi (domingo, 04/09) farão a abertura das exibições. 

rockyspirit 16101

O evento também conta com a participação de Fernando Nazário, trail runner brasileiro, protagonista do filme “Entre Montanhas”, Gabriel Tarso, diretor de três filmes que estarão no evento, entre eles "Andes 6000+", e Edemilson Padilha, escalador profissional que vai contar o que inspirou o filme “Espírito dos Gerais”.

Sobre o Rocky Spirit

Criado em 2010, o Rocky Spirit – maior festival de filmes outdoor do país – é um evento cultural gratuito, que já reuniu em suas cinco edições aproximadamente 50 mil. O festival, que é aberto ao público e acontece nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro, é iniciativa da editora Rocky Mountain – responsável pelas revistas Go Outside, Hardcore, Runner's World, Bicycling e Women's Health.  Além disso, o evento conta com apoio Omint.

Serviço

São Paulo

Quando: 3 e 4 de setembro

Horário: A partir das 17h30

Onde: Parque do Ibirapuera

Quanto: Gratuito

Rio de Janeiro

Quando: 24 e 25 de setembro

Horário: A partir das 17h30

Onde: Local a confirmar

Quanto: Gratuito

Um festival inteiro só sobre animações de horror: conheça o Animaldiçoados!

Já é o sexto ano em que um festival internacional de cinema reúne no Brasil produções de animação dedicadas unicamente ao gênero de horror. De 1 a 11 de setembro no Rio de Janeiro e nos dias 17 e 18 de setembro em São Paulo, o Festival Internacional de Animação Sombria para Adultos reunirá diversos filmes de animação, brasileiros e estrangeiros de terror, horror, suspense e outros gêneros amaldiçoados dedicados ao público adulto. 

A programação do festival é composta pela competição internacional de animação, retrospectivas, programas dedicados a filmografias de animadores e o programa especial de animações sobre infestações, tema desta sexta edição do festival. 

Segundo o diretor e curador do evento, Alexander Mello, além de divertir os fãs destes gêneros de arrepiar, o Animaldiçoados abre espaço para novos talentos. “Novos cineastas e produtores independentes mostrarão seus filmes e terão contato com outras produções e profissionais do universo de animação de terror, horror e suspense para adultos no Brasil”. 

Neck and Neck Animaldicoados 6203c

Além disso, o público poderá assistir com exclusividade às estreias nacionais e internacionais. As animações serão analisadas pelo Júri Técnico e pelo Júri Popular. O Centro Técnico Audiovisual do Ministério da Cultura também irá premiar o Melhor Animaldiçoado Brasileiro. 

A programação completa e classificação indicativa dos filmes estará disponível em breve no site do Animaldiçoados

Serviço:

Animaldiçoados 2016 - Festival Internacional de Animação Sombria para Adultos

Rio de Janeiro

1 a 11 de setembro de 2016

Centro Cultural Justiça Federal - CCJF

São Paulo

17 e 18 de setembro de 2016

Museu da Imagem e do Som de São Paulo - MIS SP

Ingresso de cada sessão: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia)

Festival MIMO de Cinema abre inscrições para edição 2016

Estão abertas as inscrições para a seleção da edição 2016 do Festival MIMO de Cinema, a etapa audiovisual deste que é um dos maiores festivais de música do país, com apresentações em diversas cidades brasileiras ao longo do segundo semestre.

Podem participar da seleção produções cinematográficas cujo tema central tenha relação com a música, já que o objetivo desta etapa do festival é justamente promover a exibição e difusão de filmes que tenham a música como fio condutor. 

As inscrições podem ser feitas no site do MIMO até o dia 22 de julho e os selecionados serão informados sobre a classificação até o dia 20 de agosto. 

Confira o regulamento aqui. 

As inscrições são de caráter não competitivo para a Mostra Panorama Brasil e serão aceitos apenas filmes finalizados a partir de 1º de janeiro de 2015 que não tenham participado do festival em anos anteriores.  

MIMO f565a

Embora o Festival MIMO aconteça em cinco cidades, a exibição dos curtas, médias e longas-metragens, nos gêneros ficção, animação ou documentário, acontecerão exclusivamente nas cidades de Paraty, Rio de Janeiro e Olinda, entre os dias 14 de outubro e 20 de novembro deste ano. 

No Rio de Janeiro, os filmes serão projetados em salas de cinema, mas nas duas outras cidades serão instalados telões ao ar livre nos pátios das igrejas no Mercado da Ribeira, em Olinda, e na Casa de Cultura, em Paraty. Toda a programação é gratuita.

Confira as datas do Festival MIMO:

Circuito MIMO Tiradentes - 7 e 8/10

Circuito MIMO Ouro Preto8 e 9/10

MIMO Festival Paraty - 14 a 16/10

MIMO Festival Rio de Janeiro - 11 a 13/11

MIMO Festival Olinda18 a 20/11

Festival Internacional de Cinema em Recife divulga produções femininas

Começa hoje e vai até o dia 09 de julho a primeira edição do Festival Internacional de Cinema de Realizadoras (FINCAR), que acontece na cidade de Recife (PE). Produção da Orquestra Cinema Estúdios e Vilarejo Filmes, viabilizada pelo Governo de Pernambuco através do Funcultura Audiovisual, o FINCAR tem como objetivo fomentar o debate em torno da presença da mulher no cinema, propondo uma investigação do processo criativo audiovisual de realizadoras e apresenta um panorama dessas produções no mundo.

Com cerca de 2.400 filmes inscritos, a curadoria do festival selecionou e apresenta 30 obras, entre curtas, médias e longas-metragens, de dezenove países, além de rodas de diálogos, debates e cineclube, ocupando durante quatro dias o Cinema São Luiz, o Paço do Frevo e a sede da Aliança Francesa na capital pernambucana.

Ocupar os espaços com arte, política, debates e com mulheres é a proposta central da equipe idealizadora do evento. “O FINCAR surge em torno do debate sobre a mulher e o cinema e sua primeira edição acontece dentro do cenário político de perdas de direitos e avanço do conservadorismo no Brasil. Assim, foi se revelando o conceito central da curadoria este ano: Resistência. Corpos femininos em resistência de ser, olhar e lutar” conta Maria Cardozo, diretora artística e curadora do festival.

“Os filmes trazem na sua maneira diferentes formas de resistir. Seja de forma urgente, performática, documental, experimental, evocando memórias ou construindo personagens femininas complexas. Ocuparemos um cinema de rua com curtas, médias e longas-metragens feito por realizadoras”, continua.

FINCAR ALTA 002 10b5e

As sessões do Festival Internacional de Cinema de Realizadores acontecem no icônico Cinema São Luiz, no Centro do Recife, sempre a partir das 18h. Além das exibições, o tradicional cinema de rua recebe, em todos os dias de evento, debates com realizadoras e curadora após as sessões, que terão seus ingressos comercializados com meia-entrada promocional para todos, no valor de R$ 3.

"Os filmes trazem na sua maneira diferentes formas de resistir"

Para selecionar as obras, entre os cerca de 2400 trabalhos inscritos – todos de realizadoras mulheres, entre obras nacionais e internacionais -, além da idealizadora Maria Cardozo, a curadoria do FINCAR foi composta pela pesquisadora, realizadora e membro do conselho gestor do Vídeo nas Aldeias Ana Carvalho; a cineasta e professora de Cinema da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Mariana Porto; a produtora, professora universitária e pesquisadora Sabrina Tenório; com a assistência das estudantes de cinema da UFPE Hellen Laílla, Hannah Cunha, Tatiana Quintero, Thayná Torella, Ivich Barret e Maria Alencar.

“Devido ao grande número de inscritos, com obras de 111 países, precisamos aumentar o corpo da curadoria. As assistentes de curadoria são todas alunas do curso de cinema da UFPE e essa iniciativa faz parte da ideia de compartilhar a curadoria como um momento de troca, reflexão e debate”, explica Cardozo. O festival conta ainda com a participação da pesquisadora e coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígena do Instituto Federal do Rio de Janeiro, Janaína Oliveira, na curadoria da Mostra FINCAR-FICINE.

Fincar1 3b21e

Os filmes selecionados para os quatro dias de festival são "The Arcadian Girl" (CAN), de Gabirelle Provost; "The Internacional" (ARG), de Tatiana Mazú; "Outside" (BRA), de Letícia Bina; "Kbela" (BRA), de Yasmin Thayná; "Retratos de Identificação" (BRA), de Anita Leandro; "A Realidade não é Impossível" (AUS), de Brigit Sholin; "Mulher na Lua" (POL), de Kasia Prus; "Quiet Mujo" (BIH), de Ursula Meier; "Olia" (PRY), de Tania Cattebeke; "Besieged Bread" (SIR), de Soudade Kaadan; "A Febre" (FRA/MAR), de Safia Benhaim; "Catatumbarí" (VEN), de Oriana Contreras; "Extraterrestre" (MEX), de Victoria Karmín; "Exília" (BRA), de Renata Claus; Série "A Mulher e a Terra" (GBR), de Rosanna Wan; "Quem matou Eloah?" (BRA), de Lívia Perez; "Taego Awa" (BRA), de Marcela e Henrique Borela; "Mães" (FRA), de Maïmouna Doucouré; "Irmã Oyo" (COG), de Monique Mbeka Phoba; "Raízes" (UGA), de Mukundwa Katuliiba; "Nossa Estrangeira" (BFA), de Sarah Bouyain; "Halahaches" (CHI), de Alejandra Jaramillo; "Entre Andares" (BRA), Aline van der Linden e Marina Maciel; "Dias de Saudável Alegria" (CUB), de Claudia Muñiz Pérez; "Corpo Estrangeiro" (POL), Marta Magnuska; "Meio Fio" (BRA), Denise Vieira; "A Mulher dos Cães" (ARG), Laura Citarella e Verónica Llinás.

O festival conta com importantes parcerias com a Federação Pernambucana de Cineclubes (Fepec), Fórum Itinerante de Cinema Negro (Ficine), coletivo feminista Deixa Ela em Paz, Paço do Frevo, Aliança Francesa e o grupo Mulheres no Audiovisual PE.

kbela 8bc41

A colaboração entre o FINCAR e a Federação Pernambucana de Cineclubes proporciona a realização do Circuito Cineclubista FINCAR-FEPEC, que pretende exibir curtas-metragens selecionados no Circuito Cineclubista pelo Estado de Pernambuco. Através de formulário de inscrição disponibilizado no site da Fepec, qualquer cineclube do Estado pode solicitar parceria para integrar este circuito.

“Apesar do festival ser sediado no Recife, se faz necessária a descentralização das exibições e consequentemente dos debates que os filmes levantam. Isso vem ocorrer justamente a partir desta parceria com a Fepec. A ideia é levar as produções para outros circuitos exibidores além da Região Metropolitana do Recife”, explica Cardozo.

Veja as mostras e atividades que farão parte do FINCAR:

Mostra FINCAR-FICINE

Em parceria com a Aliança Francesa e o Fórum Itinerante de Cinema Negro, o FINCAR promove a Mostra FINCAR-FICINE. Com curadoria de Janaína Oliveira, pesquisadora e coordenadora do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígena do Instituto Federal do Rio de Janeiro, a mostra promove a exibição de filmes de realizadoras africanas. As sessões da mostra possuem entrada gratuita e acontecem no último dia do evento, a partir das 14h, no auditório da Aliança Francesa do Recife, localizado no bairro do Derby. As sessões serão seguidas por debate com a curadora Janaína Oliveira.

Rodas de Diálogos 

Entendendo o festival de cinema como espaço de exibição de obras e debates, o FINCAR conta na sua programação com Rodas de Diálogos. Dando continuidade a parceria com o Ficine, surge a roda Cinema Negro no Feminino que terá como convidadas, além da própria Janaína Oliveira, a realizadora Yasmin Thayná (RJ), a atriz e artista visual Cíntia Lima (PE) e a realizadora Juliana Lima (PE).

O Ficine é composto por historiadores, antropólogos e cineastas brasileiros e cabo-verdianos, que desde 2014 vêm realizando atividades no Brasil e no exterior. O Fórum propõe a reflexão sobre as construções de identidades e subjetividades na diáspora e na África, e a formação qualificada de público para debate sobre o Cinema Negro. O debate acontece no segundo dia, quinta-feira (07), no Paço do Frevo, às 14h, e tem entrada gratuita sujeita a lotação do espaço.

 Exilia Foto Divulgacao 26d07

Continuando os debates, o Paço do Frevo recebe também a Roda de Diálogo Corpos Femininos no Cinema, na sexta-feira (08), no mesmo horário: 14h. Propondo o debate sobre a hierarquia da cadeia cinematográfica relacionada à não valorização das posições ocupadas pelas mulheres na mesma, a roda conta com a participação da pesquisadora da UERN Daiany Dantas; da representante do coletivo feminista audiovisual Quebrando Vidraças Natália Lopes; da crítica de cinema Carol Almeida; e da realizadora Andréa Ferraz.

Mulheres no Audiovisual PE

Outra ação afirmativa do festival é a sessão especial Mulheres no Audiovisual PE, que acontece no dia 07 de julho, no Cinema São Luiz. Realizado em parceria com o coletivo homônimo, que reúne dezenas de cineastas pernambucanas no movimento de luta por igualdade e emponderamento das mulheres no audiovisual, a sessão exibe as obras produzidas pelo coletivo e promove debate com as realizadoras após a sessão.

FINCAR – Festival Internacional de Cinema de Realizadoras

Quando: De 06 a 09 de julho

Onde: Cinema São Luiz (Rua da Aurora, 175,- Boa Vista), Paço do Frevo (Praça do Arsenal da Marinha, s/nº, Bairro do Recife) e Aliança Francesa (Rua Amaro Bezerra, 466, Derby)

Quanto: Cinema São Luiz: meia-entrada promocional para todos a R$ 3; Praça do Arsenal e Aliança Francesa: acesso gratuito.

Informações: (81) 3184-3157 e Site oficial do evento

“Mar Aberto” é o vencedor do Curitiba_Lab no 5º Olhar de Cinema

O projeto “Mar Aberto”,  da baiana Amaranta César, foi o grande vencedor do prêmio de Melhor Projeto do Curitiba_Lab, umas das atrações desta quinta edição do Festival Olhar de Cinema. Realizada pela segunda vez desde a estreia do evento, a mostra é um espaço para desenvolvimento de projetos cinematográficos independentes.

Neste ano, foram selecionados seis projetos cujos produtores e/ou diretores passaram, ao longo de 5 dias, por acompanhamento e orientação dos profissionais de cinema  Aly Muritiba, Leonardo Levis e Luis Carlos Oliveira Jr. que se debruçaram sobre os projetos a fim de apontar suas forças e fraquezas e orientar os produtores de modo a torna-los mais atraentes e viáveis. Ao final dos cinco dias de imersão, os envolvidos apresentaram seus projetos, concorrendo ao prêmio de Melhor Projeto do Curitiba_Lab.

Neste ano o Curitiba_Lab recebeu projetos de diferentes temas e regiões do Brasil.  A banca julgadora foi composta pela roteirista e cineasta Ana Johann, Andrea Stavenhagen, delegada da América Latina para o Festival de San Sebastian e Daniel Queiroz, programador do Cine 104 e curador do festival Semana dos Realizadores.

O longa vencedor desta edição, "Mar Aberto", se passa entre Brasil, Portugal, Benim e o Oceano Atlânticoe segue paralelamente os destinos de Fabiana e Joaquim, mãe e filho que se dispersam pelo mundo. Eles se separam depois que Joaquim embarca, de modo acidental, em um navio cargueiro que segue viagem da Bahia para a África. Para a mulher e a criança, os desafios dessa travessia serão irreversíveis.

Festival Varilux de Cinema Francês começa hoje

A partir dessa quarta-feira (08) e até o dia 22 de junho, 50 cidades brasileiras receberão exibições de filmes franceses. Desde longas premiados em Cannes e com o Oscar até produções mais alternativas, uma grande variedade de produções do país europeu integrará a edição 2016 do Festival Varilux de Cinema Francês. 

Neste ano, o festival ganhará uma semana a mais de exibição em relação à edição anterior e contará com 15 filmes inéditos e um grande clássico do cinema francês. O evento vai passar por cidades como São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, Florianópolis, Curitiba, Brasília, Goiânia, Belo Horizonte, Salvador, Aracaju, Maceió, Recife, João Pessoa, Fortaleza, Natal, Belém, entre outras.

Além disso, manterá a tradição e promoverá atividades paralelas, desta vez com novidades: pela primeira vez será realizada a “Oficina de Crítica Cinematográfica”, voltada para profissionais mais experientes ou com menos tempo de mercado, que será ministrada no Rio de Janeiro pelo renomado crítico francês Jean-Michel Frodon, ex-diretor da redação da prestigiada revista “Cahiers du Cinéma”.

A edição 2016 também realizará pelo quinto ano a oficina franco-brasileira de roteiros audiovisuais no Rio de Janeiro, que desta vez será dividida em três temas – roteiros para TV, cinema e comédia e, além disso, ganha uma edição no Recife, na modalidade formatos para televisão. 

Com coordenação de François Sauvagnargues, especialista de ficção e diretor geral do Festival International de Programmes Audiovisuels - FIPA de Biarritz, França, a oficina tem como objetivo qualificar o trabalho desenvolvido por roteiristas brasileiros profissionais através do intercâmbio com renomados roteiristas franceses. 

A oficina do Rio conta com o patrocínio da RioFilme, e apoio da Associação Brasileira de Produtoras Independentes de Televisão – ABPITV, do Instituto de Conteúdos Audiovisuais Brasileiros – ICAB, e do Conservatório Europeu de Escrita Audiovisual. No Recife, a iniciativa conta com o apoio do Instituto Francês do Brasil, da Aliança Francesa de Recife, da Portomídia/Porto Digital, do Centro Audiovisual Norte Nordeste – CANNE e da Secretaria de Cultura do Estado de PE.

Para o incentivo à formação de novos públicos, ao todo, 20 cidades receberão as sessões educativas do Festival Varilux. E, como de costume, o evento terá sessões de democratização em espaços alternativos do Rio, São Paulo, Brasília e Belo Horizonte. 

Atrações para todos os perfis!

O premiado ator francês Omar Sy, que ficou conhecido e admirado mundialmente por sua atuação em “Intocáveis”, poderá ser visto novamente, agora em “Chocolate”, interpretando o primeiro artista circense negro na França da Belle Époque, no filme de Roschdy Zem, que virá ao país para apresentar o longa. 

O festival exibirá também o filme "Meu Rei", do diretor Maïwenn, que fez parte da seleção oficial do Festival de Cannes 2015. Um drama com as estrelas Vincent Cassel e Emmanuelle Bercot, premiada com a Palma de Ouro de melhor atriz.

Meu Rei

E o ator vencedor do Oscar Jean Dujardin volta às telonas em "Um Amor à Altura", comédia romântica de Laurent Tirard. Na produção, Dujardin ajudará a personagem de Virginie Efira a encontrar seu telefone celular perdido e essa história tomará um rumo inesperado.

Ao diretor Roschdy Zem se junta o diretor Philippe Le Guay (Pedalando com Molière), que traz a comédia Flórida, com Sandrine Kiberlain e Jean Rochefort, dois ícones de gerações diferentes do cinema francês, inspiração para o cartaz dessa edição do festival. 

Florida

O também diretor Bruno Podalydes, que, além de escrever e dirigir, ainda atua no papel principal da comédia "Um Doce Refúgio", e a atriz Lou de Laâge (Respire), que interpreta uma médica francesa da Cruz Vermelha atendendo sobreviventes da Segunda Guerra até chegar a um convento Beneditino onde freiras estão prestes a dar à luz, no drama histórico "Agnus Dei", de Anne Fontaine. 

O jovem e muito badalado ator Vincent Lacoste (Hipocrátes, Diário de uma Camareira), protagonista ao lado da atriz Julie Delpy, da comédia, "Lolo, o Filho da Minha Namorada", dirigida pela própria atriz, completa a delegação francesa que participará de apresentações e debates nas cidades de São Paulo e Rio de Janeiro.

Dentro do diversificado leque de produções francesas, estão ainda na programação a premiada animação "Abril e o Mundo Extraordinário", de Franck Ekinci e Christian Desmares, vencedor do prêmio Cristal no Festival de Annecy; e "O Novato", do jovem diretor e roteirista Rudi Rosenberg, que com humor e ironia foca no universo adolescente baseado em suas próprias vivências; 

Abril e o Mundo Extraordinário

"A Corte", comédia dramática de Christian Vincent, sobre um juiz durão que acaba amolecendo ao se deparar durante um julgamento com uma jurada por quem tinha sido apaixonado anos antes e o drama "Um Belo Verão", de Catherine Corsini, que aborda as questões em torno da liberdade sexual e feminismo na Paris da década de 70.

Completam a lista de filmes, o longa "Marguerite", de Xavier Giannoli, com Catherine Frot, premiada com o Cesar 2016 da Melhor Atriz, baseado na história da rica e excêntrica americana Florence Foster Jenkins que não desistiu de cantar em público apesar de não ter talento algum. 

"Os Cowboys", de Thomas Bidegain, que acompanha a saga de um pai em busca da sua filha adolescente fugida de casa, e com suspeita de ter se convertido ao Islã. O drama de guerra, "Viva a França!", de Christian Carion, que se passa numa pequena cidade no norte da França nos anos 40; e "La Vanité", comédia dramática de Lionel Baier com a atriz espanhola Carmen Maura sobre um velho arquiteto que recorre a uma associação de auxílio ao suicídio.

Como já é esperado pelo público, o festival exibirá ainda um grande clássico francês. O escolhido deste ano é o filme "Um Homem e uma Mulher", de Claude Lelouch, em homenagem ao seu 50º aniversario de lançamento.

Um homem e uma mulherO romance com Anouk Aimée e Jean Trintignant foi o vencedor da Palma de Ouro em 1966 e também do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro e roteiro original no ano seguinte.

Quer saber mais sobre o Festival Varilux de Cinema Francês? Confira a programação completa aqui!